Guarapuava: quadrilha ataca empresa de valores e faz reféns no Paraná

Nas imagens publicadas nas redes sociais é possível ouvir tiros disparados; veículos foram queimados nas ruas da cidade

Foto: REPRODUÇÃO/REDES SOCIAIS

- PUBLICIDADE -

Cerca de 30 homens armados atacaram, na noite deste domingo (17), uma transportadora de valores da cidade de Guarapuava, no interior do Paraná, a cerca de 255 km da capital, Curitiba. O grupo fez moradores reféns, atirou contra o batalhão da PM (Polícia Militar) do município e deixou projéteis de fuzil espalhados pelas ruas. Até o momento, não há informação se houve mortos na ação.

> Clique aqui e receba as principais notícias do sul catarinense no WhatsApp

- PUBLICIDADE -

A ação deixou dois policiais militares em estado grave. Um deles foi ferido na cabeça e o outro, na perna. O primeiro está gravemente ferido, e o segundo não corre risco de vida. Muitos moradores foram utilizados como escudo humano durante o assalto e, segundo informações do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Emergência), um deles foi baleado.

Nas imagens compartilhadas nas redes sociais é possível ouvir tiros disparados. Veículos foram incendiados no meio das ruas da cidade, que teve diversas vias bloqueadas. “Houve ataque à base da Proforte em Guarapuava. Orientamos a população para que se abriguem em casa”, relatou a PM.

Equipes de apoio da PM de cidades vizinhas, inclusive Curitiba, foram acionadas e se dirigiram a Guarapuava – a maior da região. Moradores, no entanto, afirmam que os criminosos fugiram antes da chegada do reforço dos militares.

A Polícia Rodoviária de Ponta Grossa e o Exército também foram chamados para enviar reforços ao município, localizado a cerca de 255 km da capital do Paraná. A imprensa local orientou as pessoas a ficar em casa, se afastar das janelas e apagar as luzes dos cômodos voltados para a rua, para não chamar a atenção dos criminosos. A prefeitura da cidade ainda não se manifestou.

O assalto teve início perto das 23h e é semelhante ao roubo registrado em Criciúma (SC) em dezembro de 2020, com veículos incendiados, muitos tiros e reféns. As ações, que vêm sendo chamadas de “novo cangaço”, aterrorizam cidades de pequeno e médio porte e se aproveitam dos gargalos da estrutura policial para roubar altas quantias de dinheiro e espalhar terror.

*Via R7

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.