Consumo de GNV em Santa Catarina cresce 13% em 2021

Número de usuários também sobe e SC tem mais de 112 mil veículos usando o combustível

Foto: Lucas Colombo/ Arquivo TN

- PUBLICIDADE -

Em 2021, o volume de vendas do GNV (Gás Natural Veicular) em Santa Catarina cresceu 13%, maior patamar de vendas dos últimos noves anos, com alta acumulada de novos usuários de quase 25% em cinco anos.

O ano marcou a consolidação do crescimento do produto, que concorre com a gasolina e o etanol, combustíveis que oscilaram seus preços de forma periódica nos últimos exercícios. O GNV, por outro lado, possui tarifas reajustadas semestralmente com movimentações apenas em janeiro e julho no preço praticado aos postos pela distribuidora estadual.

- PUBLICIDADE -

A competitividade do produto no último ano se aproximou, durante todo período, de 50% frente aos combustíveis líquidos. Mesmo com o recente reajuste homologado, de 24,56%, estima que a competitividade fique em 35% no início do ano. O produto chega aos postos catarinenses com a tarifa única de R$ 3,466, sem os impostos.

Com a tarifa estável até o mês de junho, mantendo-se as decisões liminares atuais que arrefeceram em 40% os reajustes, a tendência é que o produto amplie ainda mais sua vantagem econômica frente à gasolina e ao etanol.

Atualmente, o Estado conta com 137 postos e mais de 50 cidades atendidas com GNV, sendo 129 pontos abastecidos através de redes de distribuição e o restante (oito) por meio do modal GNC (Gás Natural Comprimido), atendidos através de transporte rodoviário com carretas.

Vinte anos de economia

O GNV é o combustível mais econômico em Santa Catarina desde 2001, quando a SCGÁS iniciou o atendimento ao primeiro posto na cidade de Jaraguá do Sul. Com o início de abastecimento, o mercado se desenvolveu e o combustível encontrou maturidade em 2007, quando contava com mais de 70 mil usuários no Estado e registrava um consumo mensal de mais de 350 mil m³/dia.

O volume de vendas manteve crescimento até 2011, registrando em cinco anos a melhor média histórica de vendas, de aproximadamente 360 mil m³/dia. Neste mesmo ano, os veículos adaptados para GNV e emplacados em Santa Catarina somavam 93.350.

O ano de 2012 revela um novo desafio para o produto, que passa a viver um ciclo de queda. A entrada de carros flex no mercado trouxeram o conceito de consumo associado de gasolina e etanol, veículos que saiam de fábrica com três a cinco anos de garantia inibindo a instalação de novos kits de GNV.

Mesmo que ao longo de toda sua história de operação no Estado o GNV sempre foi a opção mais econômica frente aos combustíveis líquidos, o produto viu o consumo médio cair 21,56% de 2012 a 2017. O número de usuários também teve queda no período, reduzindo 1,36% da frota.

A partir de 2017, com o contínuo reposicionamento do preço da gasolina, e a consequente melhoria na competitividade do GNV, associado ao fenômeno da uberização e com a desmitificação do conceito flex, o mercado do GNV reage fortemente em 2018 quando cresce 23% em um ano. Nos mesmos 12 meses a frota aumenta mais de 9%, ultrapassando pela primeira vez os 100 mil veículos. O crescimento se manteve em 2019 no consumo (2,67%) e na frota (4,78%).

No ano de 2020, com a pandemia e a consequente crise econômica, o produto viveu um período de relativa queda a partir do mês de março, só retomando aos antigos patamares nos meses de novembro e dezembro do mesmo ano.

Com o crescimento e consolidação do produto nos últimos anos, a SCGÁS irá ampliar ainda mais a rede de abastecimento em Santa Catarina. Nos próximos cinco anos, segundo o plano de negócios da Companhia, projeta-se atender 36 novos postos de GNV, chegando a 174 estabelecimentos.

 

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.