Polícia Militar cumpriu 16 mandados de prisão na Operação Narcos

O balanço da “Operação Narcos Brasil’’ em toda a área do 9º Batalhão de Polícia Militar (BPM), que correspondem aos municípios de Criciúma, Forquilhinha, Nova Veneza, Siderópolis e Treviso

Foto: Divulgação/ Polícia Militar
- PUBLICIDADE -

A Polícia Militar de Criciúma divulgou nesta quinta-feira, dia 1º, o balanço da “Operação Narcos Brasil’’ em toda a área do 9º Batalhão de Polícia Militar (BPM), que correspondem aos municípios de Criciúma, Forquilhinha, Nova Veneza, Siderópolis e Treviso, tendo como comandante tenente-coronel Sandi Murís de Medeiros Sartor.

A data foi criada pelo Ministério da Justiça devido ao dia 26 de junho, estipulado como o Dia Internacional de Combate às Drogas.

- PUBLICIDADE -

A ação teve início no dia 1º de junho e prosseguiu até o dia 30 de junho, com o intuito de combater o tráfico de drogas, retirar de circulação armas de fogo, entorpecentes, realizar o cumprimento de mandados de prisão e de busca e apreensão.

Durante a operação foram empregados 215 policiais militares e contabilizado a apreensão de 5 armas de fogo, entorpecentes pesando 14,912 quilos, cumpridos 16 mandados de prisão e apreendidos R$ 20.498 mil reais em espécie oriundos do tráfico de drogas.

“Para o desempenho da operação “Foi feito um levantamento e produção de conhecimento sobre a atuação de criminosos, análise de denúncias da comunidade sobre pontos de tráfico de drogas, além do esforço constante da Polícia Militar, para impedir que o crime ganhe força em nossa região. A ação foi importante para fortalecer ainda mais a segurança dos nossos municípios, prezando sempre pela sensação de segurança, com diligência ordenada, legal e legítima”, destacou o comandante do 9º BPM.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.