Tigre: Henan é apresentado e pode atuar

O atleta, que foi um dos artilheiros da Série C do ano passado quando atuava pelo Vila Nova, já treina com o elenco do Tigre


- PUBLICIDADE -

Tiago Monte

Criciúma

- PUBLICIDADE -

Anunciado oficialmente como reforço do Criciúma, na noite de quarta-feira, o atacante Henan, de 34 anos, foi apresentado ontem e pode atuar no sábado. “Eu já vinha treinando. Minha última partida na Série B foi contra o Vitória e atuei quase a partida inteira. A questão física está 100%, então, depende agora do que o Paulo Baier vai pensar. Estou disponível para poder dar o meu melhor: se for 90 minutos ou 5 minutos, o importante é ajudar a equipe do Criciúma. Estou à disposição”, diz.

O atleta, que foi um dos artilheiros da Série C do ano passado quando atuava pelo Vila Nova, já treina com o elenco do Tigre. Ele conquistou o título da competição nacional em 2020. Foram 10 gols marcados e a vice-artilharia final da competição. Henan conhece os problemas ofensivos do Criciúma e acredita que poderá auxiliar no crescimento do setor. “No Vila, quando eu cheguei, no ano passado, na Série C, o pessoal também contestava muito o ataque. O Vila, depois do Frontini, em 2015, nunca tinha acertado um camisa 9 que fizesse muitos gols. Graças a Deus, eu cheguei na Série C do ano passado, fui artilheiro da equipe no ano, fui vice-artilheiro da Série C, fomos campeões. Então, eu consegui acrescentar e ajudar. Espero chegar aqui no Criciúma, somar com os meus companheiros e poder ajudar da melhor maneira possível”, ressalta.

O desafio em busca do acesso foi o principal motivo que fez Henan trocar o Vila Nova pelo Criciúma. “O desejo de competir e buscar algo grande. O Criciúma é um dos grandes da Série C. Uma equipe que joga em busca do acesso e do título. Então, vim aqui querendo conquistar meu espaço, poder ajudar e vestir a camisa de um grande clube, que é campeão da Copa do Brasil, da Série B e busca, de repente, um bicampeonato da Série C. Então, como atleta, jogar em um clube deste tamanho é importante. A torcida é grande, a estrutura é de Série A e isso me motivou muito a trocar um time de Série B por outro de Série C. Vim em busca de fazer história com a camisa do Criciúma”, destaca.

O jogador conhece as dificuldades do Tigre, atuando fora de casa. Porém, ele usa a experiência para indicar uma saída em busca de um novo triunfo longe do Majestoso. “Pelo que eu venho acompanhando, a gente vê que tem uma certa dificuldade em jogar fora de casa, mas, no ano passado, no Vila, a gente acabou passando por isso: fora de casa, não conseguíamos bons resultados, já, em casa, a gente vinha muito forte. Então, de repente, temos que tentar ter a mesma postura em casa e fora de casa. Isso pode ser que acarrete uma melhora”, comenta.

Henan ressalta a dificuldade que será apresentada pelo adversário, mas confia na vitória em Curitiba. “Eu penso que, independente de onde o Criciúma joga, ele vai em busca da vitória. Não deve ser diferente. É continuar trabalhando, a gente sabe da dificuldade que vai ser enfrentar o Paraná, em Curitiba, mas a gente vem se preparando bem, então eu acredito que será um grande jogo. Vamos nos concentrar para conseguir o melhor resultado diante do Paraná”, finaliza.

Henan Faria da Silveira, de 34 anos, tem um currículo conhecido no futebol brasileiro. Iniciou a carreira no União Barbarense e logo passou pelo futebol suíço, no FC Lugano. Entre alguns clubes que atuou estão o Athletico Paranaense, Red Bull Brasil, Guarani, Santo André, São Bento, Botafogo-SP, Ferroviária e no futebol da Coreia do Sul em três temporadas. No futebol catarinense, o atacante esteve no Figueirense entre 2017 e 2018. Nas duas últimas temporadas, no Vila Nova, marcou 10 gols na campanha do titulo da Série C da equipe goiana.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.