13.6 C
Criciúma
quarta-feira, abril 17, 2024

Ameba comedora de cérebro faz mais uma vítima nos EUA

Homem morador do estado da Geórgia foi infectado pela Naegleria fowleri enquanto nadava em um lago, segundo autoridades

Um homem, cuja idade não foi divulgada, morreu após ser infectado pela Naegleria fowleri, conhecida como ameba comedora de cérebro. O caso foi registrado na Geórgia, onde a vítima morava.

Segundo autoridades, ele provavelmente contraiu o parasita ao nadar em um lago ou em alguma lagoa de água doce. A infecção se dá somente quando a ameba entra no nariz de um indivíduo.

Embora todo ano haja casos de pessoas que morrem vítimas da Naegleria fowleri nos Estados Unidos, o número total de infectados ainda é baixo: 157 entre 1962 e 2022, segundo os CDC (Centros de Controle e Prevenção de Doenças). A taxa de letalidade, todavia, é alta, superando 97% – apenas quatro pessoas sobreviveram até hoje.

“As pessoas são infectadas quando a água contendo Naegleria fowleri entra no nariz e a ameba migra para o cérebro ao longo do nervo olfativo”, dizem os CDC. O indivíduo, então, desenvolve um quadro chamado MAP (meningoencefalite amebiana primária).

Os sintomas começam de 1 a 12 dias após a exposição à água contaminada e a morte ocorre em 1 a 18 dias; no entanto, o diagnóstico geralmente é feito após a morte do paciente devido à rápida progressão da doença.

Na primeira fase, os pacientes apresentam sintomas inespecíficos, como dor de cabeça, febre, náusea e vômito. Posteriormente, surgem também torcicolo, convulsões, alterações no estado mental, alucinações e coma.

Três estados (Flórida, Texas e Califórnia) concentram 56,5% de todos os casos de infecção por Naegleria fowleri já registrados no país.

“A Naegleria fowleri é uma ameba termofílica encontrada em todo o mundo. Ela se desenvolve melhor em temperaturas mais altas, chegando a 46°C, e pode sobreviver por curtos períodos em temperaturas ainda mais elevadas”, salientam os CDC.

Ainda de acordo com a agência de saúde norte-americana, a ameba é frequentemente detectada em amostras de águas de lagos no sul dos Estados Unidos durante o verão – nesta época do ano. Ela não é encontrada em água salgada, como no oceano.

No mês passado, um menino de 2 anos, morador do estado americano de Nevada, morreu vítima da Naegleria fowleri. Ele permaneceu internado em um hospital de Nevada por sete dias.

*Via R7

Últimas