Governo de SC discute Previdência com servidores na segurança hoje

Na proposta, o governo exige que o trabalhador contribua o dobro do tempo que falta hoje para a aposentadoria como uma forma de "pedágio"

Fonte: Rede Catarinense de Notícias
- PUBLICIDADE -

Está marcada para esta quarta-feira (7), ás 14h, uma reunião entre a Casa Civil e representantes de servidores da segurança pública estadual para discussão de pontos da proposta de reforma da Previdência. O encontro é mais um em meios às tratativas das categorias para alterar a sugestão original do governo.

“Nós tivemos algumas reuniões com o governo mostrando algumas necessidades de alterações, principalmente a transição. Tem gente contribuindo há muitos anos e faltaria apenas cinco anos para aposentadoria e que agora teriam que trabalhar nove, dez anos com a mudança”, disse o deputado Mauricio Eskudlark (PL), que é reconhecido como defensor da Polícia Civil e estará no encontro como um dos articuladores entre governo e servidores.

- PUBLICIDADE -

O deputado também defende que os trabalhadores contribuíram com base na integralidade de vencimentos e paridade de reajustes até 2016 e devem ser contemplados com o benefício. A proposta do Executivo concede a integralidade e a paridade para funcionários admitidos até 2003. O parlamentar vai propor emendas ao projeto sugerindo essa alteração.

O presidente da Associação dos Policiais Penais e Agentes Socioeducativos (AASSPP), Ferdinando Gregório, diz que a categoria concorda com as idades mínimas propostas, mas pedirá redução do tempo exigido na atividade para servidores novos da segurança. Outro problema é a transição. “Um dos pedidos importantes é o pedágio, porque o pedágio de 100% pune demais. A gente gostaria que fosse de 20%”, disse.

Na proposta, o governo exige que o trabalhador contribua o dobro do tempo que falta hoje para a aposentadoria como uma forma de “pedágio”.

O grupo também vem cobrando que o Estado, além de cobrar alíquota extraordinária para servidores que desejam manter a integralidade dos vencimentos, contribua com a cota patronal também de forma extraordinária.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.