Professor de Criciúma desenvolve curso inédito de programação

Foram três anos de pesquisa e construção do curso que ensina a trabalhar com sistemas de inventários de jogos; Os conteúdos são voltados para estudantes de programação e para quem já tenha um estudo prévio na área

Foto: Divulgação

- PUBLICIDADE -

Thais Borges

Criciúma/Especial

- PUBLICIDADE -

O cientista da computação Giácomo Antônio Althoff Bolan, natural de Criciúma, professor dos cursos universitários de Jogos Digitais, Ciência da Computação, Design e Mecânica, atuante na área há mais de 15 anos, desenvolveu um curso que ensina a trabalhar com sistemas de inventários de jogos irregular.

Foram três anos de pesquisa e construção do curso. O professor procurou mais informações sobre o tema e sempre o encontrava de forma superficial. Foi aí que ele decidiu estudar mais e então desenvolveu o curso, que acredita ser o primeiro do Brasil a abordar o assunto. “Eu fiquei seis meses procurando e ainda não encontrei. Posso dizer que é o único curso do Brasil”, revela o professor.

São mais 14 horas de conteúdo resumidas em 50 vídeos apresentando o tema, as metodologias usadas e as funcionalidades. “Eu tive que pesquisar, montar o curso, fazer funcionar, e depois que fiz tudo funcionar, tive que desmontar e montar numa maneira que a pessoa que tem um conhecimento intermediário conseguisse fazer”, conta Bolan. Os conteúdos são voltados para estudantes de programação e para quem já tenha um estudo prévio na área. “Não é um curso para uma pessoa totalmente leiga. É para quem já tem algum conhecimento”, destaca.

É possível ter acesso a prévia do ensino através do link: https://www.udemy.com/course/desenvolvendo-sistema-de-inventario-de-jogos-com-unity/

 

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.