Doses de reforço serão liberadas na segunda quinzena de setembro

Idosos com mais de 70 anos e pessoas imunossuprimidas serão contemplados com a vacina extra contra Covid-19

Foto: Agência Brasil

- PUBLICIDADE -

Criciúma

As doses de reforço contra a Covid-19 serão liberadas aos grupos determinados pelo Ministério da Saúde a partir da segunda quinzena de setembro. Idosos com mais de 70 anos, que completaram o esquema vacinal há mais de seis meses e pessoas imunossuprimidas, que tomaram a segunda dose há pelo menos 28 dias, serão as primeiras contempladas com o imunizante extra.

- PUBLICIDADE -

“Se seguirmos o que o Programa Nacional de Imunização define em relação aos rumos da Campanha de Vacinação, garantimos que vamos ter um sucesso ainda maior que já temos no presente momento. Ou seja, defendemos a rigidez e a soberania do Programa Nacional de Imunização”, comenta o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. A imunização deverá ser feita, preferencialmente, com uma dose da Pfizer, ou de maneira alternativa, com a vacina de vetor viral da Janssen ou da AstraZeneca.

Antecipação da segunda dose

Outro anúncio feito pelo Ministério da Saúde é a redução do intervalo da aplicação das vacinas Pfizer e AstraZeneca, de 12 para oito semanas. “O objetivo principal com essa decisão, é avançar a aplicação da segunda dose. Hoje, nós temos 35% da população brasileira totalmente vacinada. A expectativa é que no final de outubro todos os brasileiros com essa faixa etária estejam com a imunização completa”, acrescenta o ministro de Saúde.

QUEM PODERÁ RECEBER A DOSE REFORÇO: 

  • Idosos com mais de 70 anos que completaram o esquema vacinal há mais de seis meses;
  • Pessoas com baixa imunidade (imunossuprimidos) que tomaram a segunda dose há ao menos 28 dias.
-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.