14.7 C
Criciúma
terça-feira, maio 28, 2024

TN chega aos cinco anos de compromisso com a verdade

Oriundo da fusão dos jornais A Tribuna e Diário de Notícias, publicação se consolida como referência na região Sul de Santa Catarina, entre os impressos, e vive o melhor momento pós-pandemia da Covid-19

Tiago Monte

Criciúma

Em 23 de abril de 2019, a história da comunicação, no Sul de Santa Catarina, ganhava mais um capítulo: circulava, naquela data, a primeira edição do jornal Tribuna de Noticias. Oriundo da fusão de A Tribuna com Diário de Notícias, a publicação chegou para assumir a liderança, entre os impressos da região.

Porém, antes de completar um ano, a publicação sofreu o impacto da Covid-19. “Depois que a gente fez a fusão, em abril de 2019, logo já veio a pandemia, que deixou a gente numa situação muito complicada. Passamos um pouco de trabalho, durante o período, pois perdemos alguns assinantes, mas, desde a metade do ano passado, a gente vem crescendo novamente, em números da assinantes. E mantendo uma linha editorial muito forte e atrativa, com bastante informação”, comenta Edson Da Soler, diretor geral do Grupo SL de Comunicação, o qual faz parte o TN.

Desde o lançamento, o jornal cresceu e se consolidou no mercado. “Nós ficamos, na região, sendo o jornal de referência. Temos uma das maiores tiragens entre os jornais de Santa Catarina. E, na região Sul, somos líderes absolutos, abrangendo 23 cidades. Então, pós-pandemia, esse ano é o melhor que a gente está vivendo”, destaca.

Para Edson, os primeiros meses de 2024 mostram crescimento do jornal, após o complicado período de pandemia, “A gente está vivendo, agora, um dos melhores momentos do jornal. Principalmente nos quatro primeiros meses deste ano. Estamos em um momento muito bom no impresso. Em princípio, a gente achou que ia dar mais uma caída, mas, para a nossa felicidade, não!”, comenta.

No dia 30, o jornal comemorará os cinco anos com a publicação do projeto Sul Em Ação. Serão impressos mil jornais a mais e o TN terá uma edição mais robusta.

O diretor geral ainda trata de desmistificar a famosa frase: “O jornal vai acabar”. “Vai acabar para os incompetentes. Para os competentes, não. O jornal nunca vai se acabar. É uma situação muito parecida a das rádios. Uma vez falaram, há 30 anos, que o rádio não iria sobreviver. E estão aí e crescendo”, pontua.

Seriedade e isenção como fios condutores

Conforme Edson, o jornal manterá a seriedade e a isenção na apuração das notícias. “Podemos tentar mudar em algum subproduto, mas, no jornal, não tem que inventar. A ‘roda’ está pronta. O que tem que fazer é girar a ‘roda’. Vamos manter o nosso conteúdo, sempre prezando pela a verdade. Mostrar os dois lados sempre. Esse é o nosso papel: manter uma editoria isenta e correta”, comenta.

O diretor geral reforça que esses cinco anos serviram como superação. “Esses cinco anos representam muito trabalho. Tivemos um impacto forte na pandemia, onde muita gente tinha medo de pegar o papel na mão, por causa do vírus. O que acabou sendo desmentido depois, mas muita gente tinha medo” , diz.

Uma vida dedicada à comunicação

Edson trabalha com a comunicação desde 1993 e iniciou como vendedor de anúncios em uma emissora de rádio. Mesmo na gestão do Grupo SL de Comunicação, que conta, além do TN, com o portal tnsul.com, DN Mídia Led e Editora DN, Edson se considera um vendedor nato. “Sou um apaixonado por vendas e sempre com muita dedicação. Não sou perfeito, até porque não existe perfeição, mas a gente procura ser honesto, sincero e correto”, diz.

Mesmo com a experiência e seriedade, o diretor geral destaca o período eleitoral como um dos mais delicados para o jornal. “Mesmo com tudo isso, principalmente em período eleitoral, tem gente que nos odeia, já outros nos adoram. Então, quando se fala em jornalismo, na época de eleição, como agora, em 2024, se tu não agradar um lado, já dizem que estamos sendo vendidos. E isso serve para todos os lados políticos. Então, é difícil, principalmente, em ano de eleição de vereador e de prefeito”, destaca.

Um dos pontos de maior atenção é na veiculação de intenções de votos. “Época de eleição, para nós, que divulgamos números, é muito delicada. É um ano que, para mim, é difícil. Eu perco alguns cabelos, é muito chato, porque tu agrada um, desagrada outros e vice-versa. E não é nossa intenção agradar um ou outro. Em todas as cidades da região. Nós fazemos jornalismo sério e isento”, reforça.

Liderança da equipe editorial desde o princípio

Andresa Piva é editora-chefe do TN desde a primeira edição. Ela destaca a importância de toda a equipe de repórteres, fotógrafo e diagramadores para superar desafios e crescer no mercado. “É muito gratificante saber que participo ativamente da ascensão do jornal e, com o apoio da equipe de redação, conseguimos superar desafios e crescer. O trabalho diário é desafiador”, diz.

Para a editora-chefe, é sempre importante buscar o diferencial nas edições. “Temos que estar atentos ao que o nosso leitor quer. Posso dizer, com toda a certeza e convicção, que, se temos um jornal que cresce e se destaca, é porque atrás dele há profissionais que se dedicam em fazer o seu melhor”, destaca Andresa.

O sucesso do jornal é dividido com a equipe. “Credito o sucesso ao trabalho de equipe, à imparcialidade com que os assuntos e temas são tratados e principalmente ao compromisso que a equipe tem com a informação”, diz a editora-chefe.

Muitos momentos alegres e gratificantes

Para Andresa, o primeiro ano da pandemia foi o mais desafiador do período. “Fomos surpreendidos por uma doença desconhecida, que fazia vítimas todos os dias, e fomos obrigados a nos trancar dentro das nossas casas. Nós, enquanto veículo de comunicação, tivemos que suspender a veiculação e entrega do jornal por uma semana, mas seguimos firmes na divulgação das notícias no portal TN Sul”, pontua.

Os momentos alegres, para a editora-chefe, são muitos. “Desde uma ligação de um entrevistado, agradecendo, porque através do nosso trabalho conseguimos resolver o problema dele, até as premiações que os colegas recebem em reconhecimento ao trabalho desenvolvido”, comenta.

Entre as matérias que mais marcaram Andresa, estão aquelas que envolvem mulheres e crianças. “Com certeza, são aquelas notícias que não gostaríamos de dar, mas que precisamos abordar. As que envolvem mulheres e crianças, principalmente as mais trágicas, sempre mexem muito. Não só comigo, mas acredito que com toda a equipe. No caso de crimes contra crianças, principalmente, como sou mãe, acabo me colocando no lugar do outro e sofrendo também”, finaliza.

Últimas