13.8 C
Criciúma
sexta-feira, julho 12, 2024

Polícia Científica do Estado na rede nacional de atendimento a desastres

Com a presença de representantes da Interpol, Polícia Federal e alguns órgãos de Perícia Oficial de estados brasileiros, a Polícia Científica de Santa Catarina participou nos dias 07 e 08 de novembro, em Brasília, da II Conferência Internacional em Identificação de Vítimas de Desastres – DVI. O principal objetivo do encontro foi a criação de uma rede nacional de cooperação entre os estados membros para atendimento em situações de desastres em massa.A perita-geral da Polícia Científica, Andresa Boer Fronza, destaca a importância da iniciativa para garantir uma resposta mais eficiente e rápida na identificação de múltiplas vítimas em casos de acidentes e desastres, principalmente, em respeito às famílias. Segundo a chefe da PCISC, situações de grandes proporções podem extrapolar a capacidade de atendimento de um órgão pericial, por isso, a necessidade real de uma estrutura de apoio.

“Em Santa Catarina temos um longo histórico de enfrentamentos a desastres climáticos e acidentes automobilísticos que provocaram muitas mortes, por isso, sabemos da importância de se manter equipes preparadas para a pronta reposta. Não por acaso, investimos em treinamentos em DVI, incluindo a participação das demais forças de segurança. Com a criação da rede nacional podemos alcançar um nível significativo de excelência no atendimento”, explica.

De acordo com o diretor de Medicina Legal da PCISC, perito médico legista Fernando Oliva da Fonseca, no primeiro dia do encontro foi realizada a Reunião de Cooperação e Integração Técnico-Científica entre os órgãos participantes. Fonseca destaca as discussões sobre estratégias para a estruturação da Rede Brasileira em DVI, partindo do diagnóstico atual e do levantamento das necessidades e capacidades.

“Esse foi o primeiro passo para a efetiva criação de uma rede nacional, com a participação de órgãos periciais dos estados brasileiros e da Polícia Federal. Serão estabelecidos os pontos focais de cada instituição para criar um canal de comunicação e dar continuidade aos trabalhos, como a criação de um estatuto e demais formalizações necessárias. Esperamos que em breve esse importante projeto avance até sua conclusão e implementação no país”, afirma o perito.

No segundo dia de encontro ocorreu a conferência propriamente dita, com diversas apresentações relacionadas a atendimentos em DVI pelo mundo afora e exemplos de parcerias internacionais bem-sucedidas, que reforçaram ainda mais a proposta de criação de uma rede nacional.

Colaboração: Agência Catarinense de Notícias

Últimas