13.2 C
Criciúma
sábado, abril 20, 2024

Imetro-SC fiscaliza mais de 600 bombas de combustíveis em Santa Catarina

O objetivo é orientar consumidores, produtores e comerciantes sobre os riscos dos produtos irregulares e piratas. E, desta forma, valorizar o bom comerciante e o fabricante

O Instituto de Metrologia do Governo de Santa Catarina (Imetro-SC) encerrou, na sexta-feira, 5, a operação especial de vigilância de mercado nas bombas medidoras de combustíveis e dispensers para GNV (bomba de gás natural) nos postos de todo o estado. Entre os dias 2 e 5 de maio, foram inspecionadas mais de 630 bombas medidoras, em mais de 46 postos de combustíveis, onde cerca de 25 das bombas, não estavam em conformidade.

Clique aqui e receba as principais notícias do sul catarinense no WhatsApp

A ação faz parte do Plano Nacional de Vigilância de Mercado do Inmetro (PNVMI), realizada desde o último dia 11 de abril em parceria com os 24 órgãos delegados no Brasil, com duração de 90 dias. O objetivo é orientar consumidores, produtores e comerciantes sobre os riscos dos produtos irregulares e piratas. E, desta forma, valorizar o bom comerciante e o fabricante.

“Entre as irregularidades encontradas foram constatados erros de medição, vazamentos, mangueiras em mau estado de conservação, bombas que não desligavam em 60 segundos, após o termino do abastecimento, sistema de iluminação do dispositivo indicador queimada, entre outras”, explica o diretor de Metrologia Legal Hercílio de Oliveira Bez.

Também foram fiscalizados postos de combustíveis que revendem GNV, sendo que um foi reprovado, por apresentar erro superior ao máximo admissível. “Nossa maior preocupação no mercado de combustíveis é com as fraudes eletrônicas, que são mais difíceis de serem identificadas. Por isso, recentemente, buscamos parceria com o Ipem/SP e viabilizamos um treinamento do corpo técnico do Imetro SC, focado na engenharia das fraudes eletrônicas em bombas medidoras de combustíveis”, acrescenta o presidente do Imetro SC, Alexandre Soratto.

Ele acrescenta que o erro máximo permitido é de 0,5%, o que significa 250 ml em um abastecimento de 50l. No entanto, o Imetro já encontrou fraudes metrológicas com erros superiores a 10%, que representa 5 litros a menos de combustível. “Estas fraudes provocam um grande prejuízo ao consumidor e uma baita concorrência desleal entre os postos”, completa Soratto.

Na próxima semana o Imetro-SC, órgão delegado do Inmetro inicia a fiscalização e vistoria de blocos de cerâmica para construção civil.

Denúncias

Consumidores que desconfiarem de irregularidades devem entrar em contato pela Ouvidoria do Imetro-SC pelo e-mail ouvidoria@imetro.sc.gov.br.

*Via Governo do Estado de Santa Catarina

Últimas