Prazo que impede prisão por causa das eleições termina nesta terça

Regra que não permite que o eleitor seja preso ou detido, salvo em flagrante delito, deixa de vigorar a partir das 17h, segundo o TSE

Foto: divulgação

- PUBLICIDADE -

O prazo que impede que o eleitor seja preso ou detido, salvo em flagrante delito, termina nesta terça-feira (4). A determinação, segundo o calendário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), começa a vigorar a partir das 17h.

> Clique aqui e receba as principais notído cias sul catarinense no WhatsApp

- PUBLICIDADE -

A norma está em acordo com o Código Eleitoral, que no Artigo 236 determina que “nenhuma autoridade poderá, desde 5 (cinco) dias antes e até 48 (quarenta e oito) horas depois do encerramento da eleição, prender ou deter qualquer eleitor, salvo em flagrante delito ou em virtude de sentença criminal condenatória por crime inafiançável, ou, ainda, por desrespeito a salvo-conduto”.

“Ocorrendo qualquer prisão o preso será imediatamente conduzido à presença do juiz competente que, se verificar a ilegalidade da detenção, a relaxará e promoverá a responsabilidade do coator”, determina a lei.

O impedimento da prisão em flagrante do eleitor poderá ser preso ou detido — salvo em flagrante delito, ou em virtude de sentença criminal condenatória por crime inafiançável, ou por desrespeito a salvo-conduto — começou no último dia 27.

Crime eleitoral no DF

No Distrito Federal, cinco pessoas foram presas por crimes eleitorais. As ocorrências foram registradas no Paranoá, Samambaia, Sobradinho e Recanto das Emas. Em um dos casos, uma mulher de 25 anos foi levada por policiais militares para a superintendência da Polícia Federal após tentar fotografar uma urna eletrônica na Escola Classe 115, no Recanto das Emas.

 

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.