Gás Natural catarinense tem crescimento recorde

Com 1.901 novos consumidores de Gás Natural, a SCGÁS bateu o recorde de ligações em 2021, crescimento de 11,36% em relação a 2020, o último melhor resultado


- PUBLICIDADE -

Florianópolis

Com 1.901 novos consumidores de Gás Natural, a SCGÁS bateu o recorde de ligações em 2021, crescimento de 11,36% em relação a 2020, o último melhor resultado. Para suportar o crescimento no número de clientes, a Companhia construiu 84 quilômetros de rede de distribuição no ano passado, crescimento de 51% em relação ao total de redes construídas em 2020.

- PUBLICIDADE -

Ao todo, Santa Catarina concentra 18.634 clientes diretos, entre indústrias, unidades residenciais, estabelecimentos comerciais e postos de combustíveis, além dos 112.353 usuários de GNV (Gás Natural Veicular) conforme dados (julho/2021) do Denatran. Com 1.840 novas unidades no ano, o segmento residencial foi o que mais cresceu o número de clientes: 11,78%, o que materializa o resultado da parceria com construtoras e as destacadas vantagens do gás natural em centros urbanos verticalizados.

No que se refere a investimentos para ampliação de rede, foram destinados R$ 70 milhões em projetos, materiais e obras de ampliação da rede no ano passado. Com 21 anos de distribuição, Santa Catarina já concentra mais de 1,3 mil quilômetros de rede. Atualmente, a rede passa por 69 cidades, incluindo a oferta através do modal de operação com GNC (Gás Natural Comprimido), no qual o insumo é distribuído por via rodoviária. Com esses dados, o Estado tem 23,39% das cidades com o insumo, segundo melhor índice nacional.

Entre as obras de ampliação da rede realizadas, destaca-se o Projeto Serra Catarinense, com a construção de 17,4 km de rede, um investimento de mais de R$ 18 milhões. O projeto, que completou dez anos em 2021, vai levar a rede de distribuição até Lages saindo de Indaial. Desde 2020, Lages já é atendida pela rede local e isolada, projeto pioneiro em Santa Catarina, e abastecida com o modal GNC (Gás Natural Comprimido), que garante o fornecimento do energético ao município até a chegada da rede estruturante, prevista para 2024. Esse projeto contribui com a estratégia da concessionária de desconcentração da oferta de Gás Natural do litoral.

Destacam-se também investimentos em Garuva, para construção de 11 km de rede, interligando, principalmente, indústrias da região. No vale do Itajaí, foram construídos cerca de oito quilômetros de rede, para manter a estabilidade operacional do sistema frente ao aumento da demanda de gás na região. Além de obras para atender novas indústrias, foram realizadas obras de ampliação no mercado urbano em São José, Balneário Camboriú, entre outros. “Queremos levar Gás Natural para cada vez mais cidades catarinenses e estamos conseguindo, ampliando nossa rede e chegando em novas regiões. Em 2021, realizamos obras para ampliar a rede em todas as regiões que atendemos em Santa Catarina, seja para conectar novos clientes ou para melhorar e modernizar o abastecimento daqueles que já atendemos”, destaca o Diretor Presidente da SCGÁS, Willian Anderson Lehmkuhl.

O exercício anterior marcou também recordes de volumes de vendas, com aumento de 11,83% em relação ao distribuído em 2019, ano anterior à pandemia, e 19,85% quando comparado ao consumo de 2020. Com 334 indústrias, o setor produtivo foi o que mais utilizou o insumo, uma média de 1.826.369 m³/dia, valor que corresponde a 84% do total consumido no Estado. As indústrias catarinenses ocupam a quarta posição no consumo do país. No período, a SCGÁS ultrapassou a marca de 12 bilhões de m³ de gás natural fornecidos aos consumidores catarinenses nos 21 anos de operação.

O mercado de GNV também registrou recordes em 2021. A frota catarinense consumiu 391 mil m³/dia do combustível em dezembro, melhor média histórica deste mês. Em 2021, o consumo de GNV cresceu 13%, maior patamar de vendas dos últimos noves anos, com alta acumulada de novos usuários (carros emplacados em Santa Catarina) de quase 25% em cinco anos, com mais de 21,7 mil novos usuários.

Resultados Econômicos 

Pela primeira vez na história, a receita da concessionária ultrapassou os R$ 2 bilhões e a distribuidora encerrou o exercício de 2021 com lucro líquido de R$162,73 milhões, quase 80% do previsto. O resultado foi impactado, principalmente, pelos R$ 89 milhões de receita extraordinária referente ao processo de exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS/COFINS.

Esses resultados foram alcançados devido à segurança regulatória, pois a empresa retomou sua capacidade financeira e recuperação do caixa operacional, podendo ampliar ainda mais os investimentos para implantação de novas redes nos próximos anos.

Alguns desafios também marcaram a última temporada, como a limitação na capacidade de transporte, o que dificultou a entrada de novos supridores. Na conjuntura internacional que afeta Santa Catarina, o ano também foi marcado pelo aumento dos custos de aquisição de molécula devido às cotações do dólar e, principalmente, do petróleo tipo brent, além do efeito inflacionário que assumiu caráter mundial. 

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.