Comissão sobre ACP do Carvão discute prejuízos econômicos para Criciúma

Comissão Especial Temporária ouviu representantes da prefeitura nesta segunda-feira, 9

Foto: Divulgação/ Manuela Silva

- PUBLICIDADE -

Os prejuízos econômicos do município de Criciúma foram discutidos em mais um encontro da Comissão Especial Temporária sobre a Ação Civil Pública (ACP) do Carvão na Câmara de Vereadores de Criciúma na tarde desta segunda-feira (9). Estiveram no Legislativo o diretor de Desenvolvimento Econômico de Criciúma, Aldinei Potelecki, a engenheira Katia Smielevski e o diretor de planejamento, Giuliano Colossi.

Conforme Potelecki, não é possível mensurar a quantidade de empreendimentos que estão parados, inviabilizados e até deixaram de ser construídos por conta da ACP do Carvão. “Nós temos algumas construções que já realizaram a recuperação e mesmo com toda documentação comprovando, existe a necessidade de enviar para ao Ministério Público”, destacou. “Essa agilidade no sentido de permitir que a prefeitura de Criciúma libere os investimentos e as construções para as áreas que já foram recuperadas e comprovadas, é de fundamental importância”, acrescentou Aldinei.

- PUBLICIDADE -

De acordo com o relator da Comissão, vereador Julio Kaminski (PSL) o próximo passo será ouvir o Ministério Público para entender de que forma serão iniciadas as recuperações. “Nós pretendemos ouvi-los para buscar o direcionamento correto, saber se existe a possibilidade de fazer a recuperação fracionada ou não. É fundamental ouvir do próprio Ministério Público a melhor alternativa”, enfatizou.

Fazem parte da Comissão Especial Temporária da ACP do Carvão no Legislativo de Criciúma o vereador Márcio Darós (PSDB) como presidente, vereador Obadias Benones (AVANTE) como secretário, vereadora Giovana Mondardo (PCdoB), vereador Paulo Ferrarezi (MDB), Miguel Pierini (PP), Manoel Rozeng (DEM), Salésio Lima (PSD) e vereador Pastor Jair Alexandre (PL).

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.