Nova presidência do Mampituba busca inovação e resultados

Larciney Antônio Fabris toma posse na próxima segunda-feira, dia 20, e assume a função em janeiro de 2022

Foto: Giovana Bordignon/ TN

- PUBLICIDADE -

Criciúma

Com foco na inovação e em levar adiante os preceitos da gestão anterior, o novo presidente da Sede Recreativa Mampituba assume a função em janeiro de 2022. Eleito por unanimidade, pela primeira vez na história do clube, Larciney Antônio Fabris toma posse na próxima segunda-feira, dia 20, ao lado do vice-presidente Administrativo, Eduardo Augusto Ronchi, e do vice-presidente de Finanças, Sidinei José Pacheco.

- PUBLICIDADE -

“No dia 11 de novembro, após indicação do atual presidente, Edézio Luiz Carminatti, que está encerrando o mandato em 31 de dezembro, fui eleito por unanimidade, com 100% dos votos dos conselheiros – a primeira vez na história do Mampituba. Com muita responsabilidade e confiança dos conselheiros, irei assumir essa pasta a partir de janeiro de 2022, por dois anos”, enfatiza Larciney Antônio Fabris.

Laciney, atualmente, responde como vice-presidente Administrativo do clube. “Eu fui convidado em 2004 pelo presidente, à época, João Fabris, para participar do Conselho Deliberativo. Fiquei durante nove anos nessa função. Em 2019, o Edézio me convidou para ser o vice dele, pela minha proatividade junto ao clube. Sou formado em administração de empresas, então contribui muito com o cargo”, acrescenta.

O futuro presidente busca manter o ritmo da antiga gestão, com mudanças que façam a diferença no dia a dia dos sócios. “A gente vem de uma reforma administrativa. O Mampituba está se transformando, crescendo bastante. A administração tem que ser focada como em uma empresa, porque hoje, no mercado, muitos clubes definharam no meio do caminho, e nós somos a entidade mais longínqua que tem sobrevida na região, com 97 anos de história”, pontua Fabris.

Atualmente, o Mampituba é formado por associados, que adquirem títulos patrimoniais e usufruem de toda a estrutura. Segundo o futuro presidente, são 2,5 mil sócios contribuintes, o que equivale a 10 mil dependentes.

“A gente procura dar uma sequência à atual gestão do clube, focando nos sócios, que eles venham usufruir o clube, sendo o Mampituba a extensão das suas residências. Eu sempre digo, temos um sítio, com tudo pronto, a cinco minutos do centro de Criciúma, por uma taxa de manutenção de R$ 230 por mês, para a família inteira. Vale a pena investir”, ressalta Fabris.

 

Confira a reportagem completa na edição desta quinta-feira, dia 16, do jornal Tribuna de Notícias

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.