19.4 C
Criciúma
sexta-feira, abril 12, 2024

Complexo Turístico na Serra: empresas não aceitam escolha de projeto

O consórcio de empresas catarinenses, liderado pela Volare Empreendimentos Turísticos, já havia se manifestado sobre o projeto arquitetônico vencedor do Complexo Turístico da Serra do Rio do Rastro, dizendo que “não traduz os anseios das comunidades”.

Agora, o grupo ingressou junto à SCPar com o pedido de anulação do PMI (Processo de Manifestação de Interesse), que escolheu a Vallya Advisors Assessoria Financeira, de São Paulo, para a concessão do complexo.

Segundo a Volare, a construção de um shopping e de uma estação de ski causou reações negativas no trade turístico e em cidades da Serra Catarinense por descaracterizarem a paisagem na área do Mirante. O complexo deve ser construído nos municípios de Lauro Müller e Bom Jardim da Serra.

Ainda em nota, o grupo também informou que, no início deste mês, solicitou formalmente à SCPar a visualização do projeto da Vallya, alegando que ficou restrito apenas a alguns detalhes divulgados pela imprensa, e teve seu pedido ignorado.

Porém, de acordo com o secretário-executivo de Parcerias Público-Privadas da SCPar, Ramiro Zinder, não é permitida a divulgação do projeto escolhido antes da consulta pública, prevista para daqui a um mês.

“O estudo ainda não é público. Vai ser dado publicidade a ele no âmbito da consulta pública. Como ele é base para a construção do edital do contrato de concessão, se darmos publicidade antes da hora, podemos privilegiar empresas licitantes”, considera.

Ele também afirma que até o momento o projeto não foi alvo de contestações, conforme divulgado pela Volare. “Nós não recebemos nenhuma nota, e-mail ou mensagem de trade turístico ou qualquer que seja a entidade representativa da região serrana com críticas ao estudo selecionado”, garante.

Volare quer anulação do PMI

O grupo liderado pela Volare pede que a SCPar anule o resultado da avaliação e reveja as notas atribuídas ao seu estudo, assim como o da Vallya.

De acordo com os integrantes do consórcio, “os critérios e procedimentos utilizados na análise são claramente destoantes dos termos do Edital de Licitação da PMI”.

“Informamos que o nosso recurso foi embasado em critérios totalmente objetivos e, por isso, solicitamos a correção de notas e pesos atribuídos a nossa proposta”, complementam.

Eles também criticam a SCPar por, segundo o grupo, ter aceito o pedido de prorrogação da Vallya para a entrega dos estudos 15 dias depois do prazo final estabelecido no edital.

O consórcio é formado pela Volare, Biosphera Empreendimentos Ambientais, Schaefer Engenharia, Dinâmica Ambiental e Dutra/Schvade & Seibel Advogados.

Posicionamento da Vallya

A escolha do projeto arquitetônico da Vallya foi divulgado no dia 1º, após vencer o grupo Volare no PMI. O documento, apresentado pela empresa, servirá como base para edital de licitação, com expectativa de publicação em junho de 2022.

Em nota, Vallya destacou a seriedade e transparência durante o processo e a importância do complexo para fomentar o turismo e a economia na Serra do Rio do Rastro.

Com informações do ND+

Últimas