25.1 C
Criciúma
domingo, fevereiro 25, 2024

No Sul, caminhoneiros planejam paralisação no dia da Independência

Araranguá

Caminhoneiros do Sul de Santa Catarina, assim como de outras regiões do país, devem paralisar pontos estratégicos de rodovias federais no dia 7 de setembro, feriado da Independência do Brasil. O trânsito será liberado somente para veículos que envolvem a saúde, como ambulâncias do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) ou que transportam produtos perecíveis.

“A princípio está tudo mantido [paralisação]. Os pontos estratégicos, estamos decidindo ainda, vai ser no momento, até mesmo para evitar qualquer tipo de intervenção. Mas, provavelmente, vai ser nos mesmos pontos da outra vez, em 2018. Queremos deixar meio em ‘off’, para  evitar opiniões diversas”, explica o líder do movimento no Sul, Jair Ferraz. O ato inicia às 6h, na terça-feira, e não tem prazo para encerrar.

“O pessoal vai começar terça e, dali para frente, só Deus sabe. Vai até quarta, quinta, sexta-feira”, comenta Ferraz. “No dia 7, eu recomendo às pessoas fazerem o possível para não sair de casa. Nós vamos trancar a pista geral”, acrescenta o líder do movimento.

A manifestação conta com a adesão não somente dos caminhoneiros, mas de outras pessoas, e categorias, insatisfeitas com a situação do país. “O Brasil todo está descontente. A paciência do povo, de um modo geral, esgotou. A categoria dos caminhoneiros quer fazer uma manifestação pacífica. Vamos nos protestar pela nossa liberdade e pelo futuro dos nossos filhos, como todo o pai de família e pessoa do bem quer”, enfatiza Ferraz.

O convite para aderir à paralisação e contribuir, de alguma forma, é feito pelo líder do movimento. “A gente convida o povo da cidade, do comércio, a se manifestar. E que, se puderem, levarem aos pontos de paralisação um quilo de alimento, porque nós teremos três equipes de mulheres que farão a alimentação para os motoristas. Já têm empresários dando suporte também. Estamos solicitados isso às comunidades”, frisa.

O líder ainda reforça que apenas cargas vivas e veículos de emergência terão acesso livre. “Cargas secas, não vão passar. Combustíveis, não vão passar. Porque cada cidade tem uma percentual, tanto de óleo diesel como gasolina, que é para os carros de saúde, bombeiros e segurança pública. Isso nós vamos deixar passar com o maior carinho. Não queremos prejudicar ninguém”, finaliza Ferraz.

A expectativa é que haja pontos de bloqueio nos municípios de Maracajá, Tubarão, Araranguá, Santa Rosa do Sul, Sombrio e São Cristóvão do Sul. Haverá também manifestações em outras regiões do país.

 

 

 

 

 

 

Últimas