20 outubro, 2020

Turismo pós-pandemia será impulsionado por viagens curtas e mais simples

Pesquisa aponta que 70% das pessoas vão passar a valorizar o hábito de viajar e desejam aumentar a frequência

Mais Lidas

“Banho Cervejeiro” vira atração em Campos do Jordão

Inspirada em atrações na Europa, a cervejaria Baden Baden, de Campos do Jordão (SP), vai promover uma experiência imersiva:...

Setor de turismo está mais regional e colaborativo que nunca

Brasileiros estão viajando para lugares mais próximos, optando por chalés e villas e, mais que nunca, querem ter a...

Rappi entra para o setor de Turismo com o Rappi Travel

Os rumores de que o aplicativo Rappi entraria para o setor de Turismo e passaria a vender produtos relacionados...

Apandemia causada pela Covid-19 tem afetado diversos setores da economia e o turismo está entre os mais impactados. Segundo estudo da Fundação Getúlio Vargas (FGV), o setor já perdeu mais de R$ 161 bilhões. Entretanto, com a retomada gradual dos países, cidades e negócios – e, consequentemente, das viagens –, a tendência é de que as pessoas optem por destinos próximos, em família e que prezam pela segurança.

De acordo com levantamento realizado pela plataforma Hoteis.com, 53% dos viajantes pretendem priorizar passeios com a família e 46% desejam destinos ao ar livre para evitar aglomerações, como cachoeiras e praias. Outro ponto interessante é que 70% dos entrevistados afirmaram que vão passar a valorizar o hábito de viajar e ambicionam aumentar a frequência, principalmente as internas, após o momento de crise. Essas informações corroboram o pensamento do professor da Universidade Victoria de Wellington (Nova Zelândia) e especialista cenários futuros de viagens, Ian Yeoman.

O impacto ocasionado pela Covid-19 apresenta um novo normal, um novo mundo, uma nova perspectiva. O turismo e os negócios estão mudando e isso continuará pelos próximos anos. O foco das viagens será voltado mais na simplicidade, na economia e para unir as pessoa.

IAN YEOMAN, ESPECIALISTA EM PLANEJAMENTO DE CENÁRIOS FUTUROS E PERSPECTIVAS DE VIAGENS E PROFESSOR DA UNIVERSIDADE VICTORIA DE WELLINGTON (NOVA ZELÂNDIA)

Família

O relato do especialista foi dado durante a conferência virtual sobre os cenários para o turismo global pós-pandemia, organizada pela Associação Brasileira das Operadoras de Turismo (Braztoa), entidade que representa 90% das viagens de lazer vendidas no Brasil.

Tendências do turismo

O professor Ian Yeoman afirmou que o turismo irá se recuperar, mas dependerá de como o cenário deste ano terminará. “Em qualquer estratégia de recuperação do turismo deve-se analisar os sinais de segurança e os planos de viagem dos locais”, conta. Ele ressaltou, ainda, que a principal procura será mesmo as viagens dentro do mesmo país. O futurologista pontuou possíveis tendências para os próximos anos:

    • Prioridade nas viagens familiares.
    • Viagens curtas e locais próximos.
    • Viagens simples, sem ostentação.
    • Procura por viagens com espaços abertos, como natureza e turismo rural.
    • Mais atenção às normas de higiene das hospedagens.

Segurança e ansiedade

A Organização Mundial do Turismo (OMT) também aposta que as viagens internas serão inicialmente mais buscadas pelos turistas e afirmou, em comunicado, que é preciso agir de forma decisiva para resgatar a confiança dos viajantes. A OMT ainda criou um guia que destaca a importância do distanciamento social, checagem da temperatura, aumento de ações de limpeza e higiene e kits para viagens aéreas seguras, assim como hospedagens e eventos.

Viagem pós-pandemia

Já o Ministério do Turismo do Brasil criou o selo “Turismo Responsável”, visando mostrar ao público que as atividades estão sendo retomadas levando em consideração todas as orientações sanitárias. A ação identifica os locais que cumprem todas as especificações de prevenção contra o novo coronavírus.

A ansiedade e o desejo de viajar também tem feito com que muitos brasileiros pensem em roteiros, destinos e datas. De acordo com dados da Braztoa, 69% das operadoras já retomaram as vendas, o que facilita o planejamento dos turistas. Além disso, o levantamento da associação indica que a cada 10 pessoas que pretendem viajar até o Réveillon, oito irão preferir destinos domésticos.

Viagem com máscara
Por: Metropóles