22 abril, 2021

Setor de turismo está mais regional e colaborativo que nunca

Parcerias e apoios financeiros marcaram os últimos meses; viajantes preferem cidades mais próximas e distância percorrida caiu 63%

Mais Lidas

Sob críticas, Espanha tenta salvar o turismo com liberação a viajantes

Países da Europa estão tentando superar um dos maiores impactos da pandemia nas economias: a queda da arrecadação com...

Turismo na Rússia com direito a vacina contra Covid-19

Duas viagens curtas de quatro dias a Moscou, com um dia de passeios turísticos e uma vacina Sputnik V...

Os desafios do turismo em tempos de muita turbulência

Com o avanço da vacinação contra o coronavírus em nível mundial, especialistas no setor de turismo projetam uma retomada...

Brasileiros estão viajando para lugares mais próximos, optando por chalés e villas e, mais que nunca, querem ter a flexibilidade para ajustar suas viagens. Essas tendências obrigaram agências e operadoras de turismo a trabalhar mais de perto de seus parceiros, como hotéis, pousadas e companhias aéreas,

Para a Expedia, o momento foi de entender as necessidades dos viajantes e dos parceiros. A flexibilidade de mudar ou reagendar as reservas era essencial para os clientes, para irem viajar quando se sentirem mais seguros. A prática, porém, não era tão recorrente entre as agências e operadoras de viagem e, em alguns casos, taxas altas eram cobradas por companhias aéreas para reagendar passagens. “Pedimos essa flexibilização a todos os nossos parceiros”, diz Nuno Sales da Ponte, diretor da Expedia no Brasil.