23 outubro, 2020

Dia mundial do ovo é celebrado com recordes de consumo no Brasil

Relacionados

O brasileiro está comendo ovo como nunca, disse a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA). Nesta sexta-feira, 9, é comemorado do Dia do Ovo e, de acordo com projeções da entidade,  o consumo per capita nacional deve alcançar neste ano 250 unidades, número 8,5% maior em relação ao ano passado.  Em 2010, este índice era de 148 unidades.

Ricardo Santin, presidente da ABPA e do Instituto Ovos Brasil (IOB) ressalta que ao longo da última década, o brasileiro mudou seus hábitos alimentares e o ovo foi um dos protagonistas deste processo. A preocupação com a saudabilidade dos alimentos ganhou força, ao mesmo tempo em que a população tinha informações mais claras sobre as qualidades do ovo.

“Hoje, graças ao empenho setorial por meio de instituições como o IOB, as entidades estaduais, órgãos de saúde e nutrição e outros, é de conhecimento público que o ovo é um alimento completo, recomendável a todas às faixas etárias.  Essa ampla divulgação de atributos, após pesquisas que comprovaram a sua eficácia alimentar, impulsionaram o consumo e fizeram justiça a um alimento que é acessível e extremamente seguro”, avalia.

O ovo produzido no Brasil é, predominantemente, consumido no mercado interno.  Das 53 bilhões de unidades que deverão ser produzidas este ano (quase 1,3 mil ovos por segundo), menos de 1% ganha o mercado internacional.

“O ovo exerce um papel estratégico na segurança alimentar e saúde pública do Brasil.  É um alimento que marca presença nas mesas das famílias das diversas classes sociais.  Porém, como qualquer outro produto, está sujeito às altas de custos de produção.  É o quadro que enfrentamos hoje com o milho e a soja, em altas históricas.  Em algumas praças, a alta comparativa com o ano anterior chega a 70%”, avalia.

Frente a este cenário que impacta não apenas o ovo, mas também a carne de frango e a carne suína, a ABPA solicitou ao Governo Federal, por meio da Câmara de Comércio Exterior (Camex), a suspensão temporária da Tarifa de Exportação Comum (TEC) para a importação de milho e de soja provenientes de nações externas ao Mercosul.

“Nossos insumos principais ainda são o milho e a soja do Brasil. Mas em tempos de forte exportação de grãos, como os atuais, precisamos de opções. É uma questão de segurança alimentar e controle inflacionário. Se nossos fornecedores têm as portas abertas para o exterior, é justo que tenhamos a mesma oportunidade. Em 2016, ano com as altas históricas dos grãos, houve a suspensão da TEC para o milho, além da intensificação de venda balcão para os produtores. Precisamos novamente da medida, já que os preços dos insumos estão se aproximando dos índices de quatro anos atrás”, conclui.

Informações: Canal Rural

Mais Lidos

Queda do consumo de hortaliças na pandemia prejudica agricultores

O consumo de hortaliças caiu durante a pandemia do coronavírus e prejudicou bastante os agricultores do setor. No Mato Grosso (MT), por exemplo, canteiros...

Urussanga: casal encontra no cultivo do morango, oportunidade de negócio

Geórgia Gava/ Especial Urussanga Conhecido por ser o berço da produção de uva, o município de Urussanga abre o mercado para um novo fruto: o morango....

Consumo e exportações aquecidas de carne de frango animam criadores de SC

Enquanto a pandemia do coronavírus causa prejuízos em alguns setores do agronegócio, os criadores de frango passam por uma situação melhor. A exportação e o consumo da...