13 junho, 2021

Como a crise hídrica afetou o agro?

Relacionados

Após janeiro de 2021 com boas chuvas, os meses de fevereiro a maio apresentaram volumes muito abaixo da média histórica, o que prejudicou o desenvolvimento de diversas culturas. Com os reservatórios das Regiões Sudeste e Centro Oeste, principalmente, muito baixos, o governo brasileiro através do Sistema Nacional de Meteorologia (SNM) emitiu nos últimos dias, de forma inédita, um alerta de emergência hídrica para o período de junho a setembro em cinco estados, MG, GO, MS, SP e PR.

O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) destacou que as chuvas de set/20 a mai/21foram as piores em 91 anos de registros. A questão ganha contornos piores pelo fato de que, na maior parte da Bacia do Paraná, as chuvas nos próximos três meses, que já são escassas normalmente, deverão seguir este padrão, o que agravará a condição dos reservatórios representando riscos para o abastecimento de energia e também no agronegócio que é uma “indústria a céu aberto”.

A Consutoria Agro Itaú availou os impactos no agro, que especificamente no setor agropecuário, os danos já vêm sendo observados há meses, desde o atraso no desenvolvimento das culturas perenes até impactos disseminados no milho safrinha nos estados supracitados.

Culturas perenes e pecuária

Café: A safra 2021/22, sendo colhida neste momento, foi bastante prejudicada pela seca desde o início do ciclo, com as floradas no último trimestre de 2020 seguidas de seca e altas temperaturas, o que levará a uma redução da produção de arábica de mais de 30% frente ao ano anterior. Já a safra 2022/23, em tese de bienalidade alta, já tem algum grau de comprometimento, pois o insuficiente desenvolvimento vegetativo durante o primeiro semestre deste ano,  se reflete em um menor número de internódios, e isso significará menor espaço para a formação dos botões florais e, consequentemente, menor formação dos grãos.

Laranja: Sendo o Estado de SP o mais importante para a produção citrícola e onde a seca vem se mostrando bastante intensa, a perspectiva é de uma recuperação pequena da produção neste ano, da ordem de 9,5% segundo a primeira estimativa da Fundecitrus, isso após ter caído 30% no ano anterior. As áreas irrigadas de café e laranja também carregam preocupação para os próximos meses em função da já baixa disponibilidade de água nos reservatórios.

Cana de açúcar: A cultura já apresentava atraso de desenvolvimento causado pelo período seco de 2020 e aguardava as chuvas de verão de 2021 para sua recuperação. Porém, o baixo volume realizado das precipitações de fevereiro a abril, além de causar atraso na colheita também impactou a produtividade reduzindo a expectativa de produção. A estimativa de redução de moagem aliada à grande parte do açúcar já comprometido para exportação tem resultado na priorização da produção de adoçante.

Esse cenário contribui para uma baixa oferta de etanol e nos faz projetar um balanço de O&D do biocombustível para a safra 2021/22 mais apertado, o que deve fazer com que os preços de hidratado na bomba sigam a paridade próxima dos 70% da gasolina C durante toda a safra, e até superior em determinados momentos, por exemplo na entressafra

Pecuária de corte e de leite: Com as pastagens já bastante deterioradas em muitas regiões importantes de produção pecuária (leite e carne), casos de MG, SP e PR por exemplo, o viés é de baixa da produção, com o complicador do elevado custo da alimentação concentrada. No caso dos confinamentos, parte dos animais que poderiam entrar na engorda intensiva caso as margens projetadas para o segundo semestre não estivessem tão apertadas, podem ser mantidos no pasto alongando a chegada desses animais no ponto de abate.

Culturas anuais

Milho safrinha: Embora a condição em MT, principal estado produtor, não tenha sido tão ruim quanto em outros estados, também são esperadas reduções no potencial produtivo. Já as lavouras do PR, MS, MG, GO e SP foram bastante afetadas, com estimativas da safra total circulando no mercado de até 60 milhões de t, frente a um potencial próximo de 90 milhões de t. Além de 35% da área da cultura no país ter sido instalada fora da janela ideal, segundo a Conab, prejudicada pelo atraso no ciclo da soja, a falta de chuvas atingiu em cheio a cultura já na fase vegetativa.

Vale mencionar que, além dos confinamentos de bovinos e na pecuária leiteira, a quebra do milho safrinha impacta diretamente os setores de aves, suínos e ovos, que são intensivos em ração e já vêm pressionados pelos altos custos. Com isso, um possível alívio do preço do cereal para os elos demandantes ficará mais difícil, o que em última instância aumenta a necessidade de repasse dos preços das proteínas animais para os consumidores finais.

Trigo: Embora a preocupação com as condições climáticas ainda pairem sobre o produtor, o clima mais seco e as chuvas espaçadas ajudou o momento de plantio do trigo nas últimas semanas. O ritmo de plantio, no entanto, segue abaixo do verificado no ano passado e, até o final de maio, a área plantada do cereal no Brasil chegou a 32,4% vs. 37,4% na safra anterior, segundo a Conab. No Paraná, principal estado produtor, até o último dia de maio a área plantada correspondia a 71%, enquanto a média dos últimos 5 anos no período foi de 67%. A condição da lavoura, que encontra-se entre a fase de germinação e desenvolvimento, correspondeu a 91% em condições excelentes.

O trigo é cultura rústica em relação à necessidade de chuvas, contudo, caso haja falta de umidade em momentos críticos do ciclo, como floração e enchimento de grãos, perdas significativas poderão ocorrer. Para as lavouras irrigadas no CO e em SP a atenção se volta aos níveis do reservatórios locais pois a baixa capacidade poderá comprometer o potencial de irrigação.

Arroz: A preocupação ainda é pequena para a cultura visto que a colheita da safra 2020/21 encerrou há algumas semanas e apresentou bons índices de produtividade. Olhando para a próxima safra, cujo plantio inicia-se a partir de setembro, com o arroz sendo uma cultura em que 70% da produção ocorre em áreas alagadas no Rio Grande do Sul, a atenção se volta aos níveis dos reservatórios de água no estado.

Feijão 2ª safra: A falta de chuvas também tem afetado a produção de feijão 2ª safra. No Paraná, por exemplo, maior estado produtor, dos 40% de área plantada que ainda precisa ser colhida, 45% encontra-se classificada como “ruim” influenciada por uma parcela relevante de áreas em frutificação, estágio fenológico muito sensível à redução de precipitações. No Mato Grosso, 2º maior produtor, a produtividade também foi penalizada, contudo, o aumento de 10% da área deve sustentar um aumento de produção frente ao ano passado.

Feijão 3ª safra: Para a 3ª safra, cujo plantio ocorre entre e abril e julho e é majoritariamente é irrigada, o risco também está nos baixos níveis dos reservatórios de tal sorte que poderá comprometer substancialmente a produtividade. A produção total do feijão 3ª safra na temporada passada representou 27% da oferta nacional do produto. informações da Consultoria Agro Itaú.

Via Agrolink 

Mais Lidos

Inovação no agro: como a tecnologia impacta a produção no campo?

A tecnologia aplicada é realidade no setor agropecuário brasileiro, que vem batendo recordes em produtividade. Em contrapartida, também é realidade que muitos produtores rurais...

Vendas de máquinas agrícolas no Brasil podem crescer até 10% em 2020, diz especialista

Depois de um período de incertezas pela pandemia, a indústria de máquinas agrícolas do Brasil pode fechar o ano no azul, com alta de 5%...

Gado de corte em alta na região

O projeto Agro É Tudo fala sobre o agronegócio no Sul de Santa Catarina. Em um material especial, você acompanha, diariamente, aqui no portal tnsul.com todos...