Isolados pela guerra, russos são obrigados a usar celulares ‘tijolões’

Empresas do país tentaram produzir smartphones, mas modelos não conquistaram o mercado local e encalharam nas lojas

FOTO: ALEXEI DRUZHININ/POOL/REUTERS/RIA NOVOSTI - 30.7.2010

- PUBLICIDADE -

Um relatório produzido por uma tradicional publicação russa afirmou que a população do país voltou a usar os celulares da década de 1990, conhecidos no Brasil como “tijolões” por causa do tamanho e peso.

Clique aqui e receba as principais notícias do sul catarinense no WhatsApp

- PUBLICIDADE -

Desde o início da guerra com a Ucrânia, empresas como Apple e Google, deixaram de comercializar aparelhos de maneira oficial no país devido às sanções impostas pelo Ocidente.

Além disso, as duas companhias norte-americanas, que lideram o mercado de sistemas operacionais para aparelhos móveis, também interromperam o envio de atualizações aos celulares na Rússia. Ou seja, com o passar do tempo, os smartphones se tornarão apenas uma peça de plástico sem utilidade comunicacional no país.

Segundo o veículo russo Moskovskij Kosomolets, a alternativa para os russos são os celulares mais antigos, que possuem um sistema operacional rústico e com poucas funções além das tradicionais ligações, mensagens de texto por SMS e jogos, como o da cobrinha.

Estas informações foram confirmadas pelo deputado russo Artem Kiryanov, que também comanda o Comitê de Política Econômica da Duma – a Câmara baixa da Assembleia Federal da Rússia. Ainda segundo o parlamentar, as tentativas de venda de aparelhos nacionais fracassaram nos últimos tempos.

“Nossas tentativas de fazer um sistema operacional, para dizer o mínimo, não são encorajadoras. Nós tivemos o Tigafon, que a produção se tornou não lucrativa. Os smartphones Rostec também não ganharam os corações dos russos”, lamentou Kiryanov.

Estima-se que 14 mil celulares da Rostec tenham sido produzidos na Rússia, mas apenas 400 foram vendidos. O deputado acredita que é necessário envolver o setor do comércio para entender o motivo pelo qual o produto não chegou na mão da população russa.

“Nos próximos anos, será necessário desenvolver o nosso próprio smartphone, o qual não teremos vergonha de ter em nossas mãos.”

O chefe do conselho do Fundo de Desenvolvimento de Economia Digital, Herman Klimenki, é mais alarmista e compara a atual situação da Rússia com a vivida pelo país após a queda da União Soviética.

“Formalmente, já podemos dizer que os russos andam com ‘tijolões’ nos bolsos. A situação é a quase a mesma que nos anos 1990, quando os bens eram trazidos para a Rússia de ônibus”, ressaltou Klimenki, segundo o portal britânico Daily Star.

*Via R7

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.