Internacional: Entidade discute mudança na regra do tempo no futebol

IFAB busca resolver o problema do tempo perdido ao longo dos jogos; reunião com a Fifa acontece nesta quarta-feira, dia 18

FOTO: REUTERS/TONY OBRIEN - 15.01.2023

- PUBLICIDADE -

O International Football Association Board (IFAB), órgão que regula as regras do futebol, realizará sua reunião anual nesta quarta-feira, dia 18, para discutir mudanças no futebol. Uma das pautas será a questão do tempo de jogo, uma vez que há uma insatisfação com os minutos perdidos ao longo das partidas, segundo a imprensa britânica.

Clique aqui e receba as principais notícias do sul catarinense no WhatsApp

- PUBLICIDADE -

A substituição do relógio corrido para o relógio parado, como acontece em jogos de basquete quando a bola sai de quadra, é uma das propostas revolucionárias que serão debatidas neste encontro. Embora uma mudança pareça distante, a entidade está aberta a tocar neste assunto que é motivo de preocupação.

O presidente da Comissão de Arbitragem da Fifa, Pierluigi Collina, afirmou durante a Copa do Mundo que o tempo de jogo perdido era motivo de preocupação para os responsáveis do futebol. No torneio, a solução foi prolongar os minutos com acréscimos longos que chegaram a ultrapassar os 10 minutos em alguns confrontos.

Antigo vice-presidente do Arsenal, David Dein, é um dos idealizadores da proposta de parar o tempo de jogo. Em entrevista para um jornal, o inglês explicou como seria sua solução para esse tema específico.

“Não digo que se deva parar o relógio cada vez que a bola saia, mas para aquelas incidências mais demoradas, como celebração de gols, substituições, pênaltis, lesões e o VAR”, disse.

O IFAB é composto pelas quatro associações britânicas, sendo que cada uma possui um voto, e a Fifa, que tem quatro votos. Qualquer proposta na alteração da regra do jogo precisa de seis votos favoráveis para que ela seja aprovada.

*Via R7
-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.