Volta de imposto sobre os combustíveis terá pouco efeito na inflação

Isenção fiscal fez preço da gasolina e do etanol terminar 2022 em queda de 25%, após disparada no início do ano

Foto: Divulgação

- PUBLICIDADE -

O retorno da cobrança do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) dos combustíveis, que deve ocorrer em 50 dias, não vai trazer um peso significativo para o bolso dos motoristas brasileiros, segundo avaliação de economistas ouvidos pelo R7.

 > Clique e receba as principais notícias do sul catarinense no WhatsApp

- PUBLICIDADE -

Produto de maior peso no IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), a inflação oficial, a gasolina fechou 2022 com uma queda superior a 25%, resultado acompanhado pelo etanol. Ambos os combustíveis foram beneficiados pelo corte de ICMS.

 A determinação de desoneração ocorreu após a parada nos postos afundar o bolso dos motoristas, com variações do preço do etanol e da gasolina acima de 50% e 40%, respectivamente, no acumulado de 12 meses. Com o arrefecimento dos preços, ambos os combustíveis fecharam o ano em queda na mesma base de comparação.
Everton Pinheiro de Souza Gonçalves, superintendente da assessoria econômica da ABBC (Associação Brasileira de Bancos), afirma que há muita incerteza na avaliação a respeito da volta do imposto federal. Ele conta que a aposta majoritária é de um efeito pequeno na taxa final do IPCA.
*Via R7
-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.