13.8 C
Criciúma
sexta-feira, julho 12, 2024

Trabalhador brasileiro gasta até 35% do salário com refeição fora de casa

Segundo pesquisa, despesa mensal de almoço com prato principal, bebida, sobremesa e café ultrapassa R$ 1.000

O trabalhador brasileiro gasta em média R$ 46,60 para almoçar fora de casa neste ano. O valor é 14,7% superior ao registrado em 2022, considerando a categoria de self-service, restaurantes por quilo e à la carte.

A despesa mensal ultrapassa R$ 1.000, ou 35% do salário médio, para uma refeição completa, com prato principal, bebida não alcoólica, sobremesa e café.

Três capitais se destacam com os preços mais altos. Florianópolis tem valor médio de R$ 56,11; Rio de Janeiro, R$ 53,90; e São Paulo, R$ 53,12.

Os dados são da pesquisa Preço Médio da Refeição Fora do Lar, realizada neste ano pela Mosaiclab, empresa de inteligência de mercado do grupo Gouvêa Ecosystem, e encomendada pela ABBT (Associação Brasileira das Empresas de Benefícios ao Trabalhador). 

O aumento anual mostrado pelo levantamento ficou acima da inflação oficial medida pelo IPCA (Índice Nacional de Consumidor Amplo) nos últimos 12 meses, de 5,19%, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Enquanto a alimentação no domicílio registrou queda de 0,78% no acumulado dos últimos 12 meses, comer fora ficou 5,42% mais caro no mesmo período, segundo o IPCA de setembro.

Para Ricardo Contrera, sócio-diretor da Mosaiclab, uma série de fatores contribuiu para o aumento neste ano. 

“Os estabelecimentos fazem um grande esforço para não elevar o valor da refeição, para manter e atrair consumidores. Mas sofrem diretamente os impactos dos reajustes dos preços públicos, como combustível e energia elétrica”, afirma Contrera.

O cenário econômico pós-pandemia também se reflete nos preços. O retorno ao trabalho presencial elevou os aluguéis comerciais e os custos para as empresas do setor.

”A volta aos escritórios e o retorno do atendimento presencial, que envolvem manutenção do espaço físico, recontratação de profissionais para o atendimento e até ações de marketing, exigiram novos investimentos por parte dos estabelecimentos”, avalia.

Confira os preços por região

Brasil – R$ 46,60

Sudeste – R$ 49,33

Nordeste – R$ 43,55

Sul – R$ 42,81

Norte – R$ 42,29

Centro-Oeste – R$ 41,75

Nas capitais

Florianópolis – R$ 56,11 

Rio de Janeiro – R$ 53,90

São Paulo – R$ 53,12

Natal – R$ 51,86

Campo Grande – R$ 49,17

Recife – R$ 49,13

Maceió – R$ 48,84

Vitória – R$ 48,79

Palmas – R$ 47,79

Salvador – R$ 46,43

Curitiba – R$ 43,42

Manaus – R$ 42,85

Cuiabá – R$ 42,63

João Pessoa – R$ 42,52

Brasília – R$ 41,45

São Luís – R$ 40,50

Aracaju – R$ 39,68

Fortaleza – R$ 37,55

Porto Alegre – R$ 37,20

Belém – R$ 36,94

Goiânia – R$ 33,33

Teresina – R$ 33,22

Belo Horizonte – R$ 32,69

Gasto por categoria

À la carte – R$ 80,48

Executivo – R$ 50,51

Autosserviço (quilo ou bufê com preço fixo) – R$ 43,24

Comercial (prato feito) – R$ 34,30

Metodologia

A pesquisa foi feita entre junho e agosto de 2023, em 4.516 estabelecimentos comerciais, 22 estados e no Distrito Federal. No total, foram coletados 5.470 preços de pratos em todo o Brasil, em estabelecimentos que servem refeições no horário do almoço, de segunda a sexta-feira. No ano passado, o levantamento foi feito entre fevereiro e abril.

Para calcular o preço médio a pesquisa considerou uma refeição completa composta de prato principal, bebida não alcoólica, sobremesa e café. 

De acordo com o IBGE, o salário médio no país era de R$ 2.921,00 na data em que a pesquisa foi iniciada, em junho de 2023. Isso significa que, para se alimentar com uma refeição completa na hora do almoço, o trabalhador precisa desembolsar R$ 1.025,20 mensalmente, ou o equivalente a 35% do salário médio.

Também foram pesquisadas as refeições em quatro categorias: à la carte, executivo, autosserviço (por quilo e/ou bufê com preço fixo) e comercial (prato feito).

*Via Portal R7

Últimas