20 C
Criciúma
quarta-feira, junho 12, 2024

Tigre: A necessidade de pontuar fora

Criciúma pega o Atlético-GO e Juventude, em sequência, fora de casa e precisa conquistar pontos para seguir firme na briga pelo acesso

Tiago Monte

Criciúma

Após a vitória heroica por 2 a 1, diante do Mirassol, no sábado, o Criciúma terá dois desafios longe do Majestoso, em sequência. Na sexta-feira, às 21h30, o adversário é o Atlético, em Goiânia. Já no dia 30, sábado, a partida será na Serra Gaúcha, diante do Juventude.

Sem vencer, fora de casa, há seis jogos, o Criciúma precisa pontuar – e, de preferência, vencer – para seguir sonhando com o acesso. O Atlético Goianiense não perde há oito jogos em casa. Isso dificulta ainda mais a missão carvoeira. “Realmente, o Atlético se reforçou bastante e eu tenho vários amigos lá. É um elenco qualificado, assim como o nosso. Acredito que a gente tem esse potencial de buscar pontos fora de casa também e quebrar a sequência do Atlético. A nossa semana vai ser em cima disso: buscar pontos fora de casa. A gente quer, o quanto antes, tirar essa ‘nhaca’ de resultados fora de casa”, comenta o volante Barreto.

O jogador acredita que o Criciúma pode melhorar os desempenhos, fora de casa, para voltar a conquistar os três pontos, longe do Majestoso, na reta final da Série B. “Agora, nessa parte mais final do campeonato, é crucial: temos que pontuar e precisa ter a cobrança para buscarmos pontos fora de casa. Pode ter certeza que vamos fazer de tudo. O que me deixa esperançoso, depois de ter voltado a atuar, é que tem margem para melhora, principalmente fora de casa. Se a gente fizer o nosso papel dentro e buscar pontos fora de casa, podemos brigar pelo acesso. Vamos fazer de tudo”, pontua.

De olho nos rivais, mas com foco em campo

Restando 10 jogos para o final da Série B, é inevitável que os jogadores acompanhem também o desempenho dos rivais na busca pelo acesso. Porém, Barreto adverte que o mais importante é se manter firme no que for trabalhado nos treinos da semana. “Eu, particularmente, vou olhar para o adversário. Até porque, a gente vive no futebol e fica olhando, não tem jeito, mas o trabalho, dentro de campo, não pode ser interferido por isso. Precisamos ter as nossas convicções no trabalho da semana e colocar em prática em campo”, diz.

Para Barreto, esse é o momento de cada jogador assumir o protagonismo e ter coragem nas partidas para obter as vitórias. “Capacidade de elenco, a gente tem e muita. Então, realmente, na gíria da bola: temos que botar a capa e assumir o protagonismo, seja na parte defensiva, de ter a responsabilidade de não tomar gols, no meio-campo, para controlar os jogos, ou no ataque para sermos decisivos. Agora, a parte final do campeonato tem que ser decisiva. Cada um tem que assumir a sua responsabilidade e, com muita vontade, botar ‘para quebrar’ mesmo na reta final”, ressalta.

Últimas