15.2 C
Criciúma
segunda-feira, maio 27, 2024

Lula chega ao último dia do G7 sem confirmar encontro com Zelensky

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) encerra a participação dele na cúpula do G7, grupo dos países mais ricos do mundo, neste domingo (21) e ainda não decidiu se vai se encontrar com o presidente da Ucrânia, Volodmir Zelensky, para discutir sobre a guerra do país com a Rússia.

Zelensky já solicitou ao Ministério das Relações Exteriores uma reunião com Lula, mas não teve resposta. O ucraniano quer conversar com o brasileiro para tentar mudar a postura do chefe do Palácio do Planalto sobre o conflito. Desde o início do mandato, Lula assumiu uma posição de neutralidade sobre a guerra.

O presidente da Ucrânia já se encontrou com líderes de nações como França, Alemanha, Reino Unido, Itália e Japão desde que chegou a Hiroshima para participar da cúpula. Também conversou com o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, sobre a guerra.

Assim como o Brasil, a Índia tem evitado apoiar sanções mais severas à Rússia pela invasão do território ucraniano. Esse posicionamento das duas nações deve-se à parceria com a Rússia no âmbito do Brics, grupo do qual também fazem parte África do Sul e China e que tem como objetivo a cooperação econômica e o desenvolvimento em conjunto dos países-membros.

Lula tem defendido a formação de um grupo de países amigos com o objetivo de mediar a paz, mas Zelensky espera uma postura mais enfática do presidente brasileiro em relação à Rússia.

O presidente ucraniano quer mostrar ao brasileiro os “10 pontos para a paz” formulados por ele para cessar o conflito. Entre as propostas, Zelensky defende a aplicação da Carta das Nações Unidas, tratado assinado em 1945 que estabeleceu a organização, a qual diz que todos os membros da entidade devem evitar, em suas relações internacionais, a ameaça ou o uso da força contra a integridade territorial de outro país.

Zelensky também pede a retirada imediata das tropas russas e a cessação das hostilidades, bem como a prevenção da escalada militar por parte da Rússia. Outros pontos elaborados pelo presidente da Ucrânia envolvem: segurança radioativa e em relação a armas nucleares; segurança alimentar; segurança energética; libertação de prisioneiros e doentes; justiça; proteção ambiental contra o ecocídio; e a confirmação do fim da guerra.

Decisões do G7 sobre a guerra

A cúpula do G7 deve aprovar duas resoluções relacionadas à guerra: uma apenas dos países que compõem o grupo (Japão, Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália e Reino Unido) e a outra que envolve os países convidados para o evento. Nos bastidores, a diplomacia brasileira trabalha para que o segundo texto não preveja uma medida mais enfática contra a Rússia.

Uma das solicitações brasileiras deverá ser a negociação de uma linguagem que seja compatível com a posição de todos os países envolvidos na cúpula, com neutralidade e ênfase na segurança alimentar, impactada pelo conflito no Leste Europeu.

“Nossa visão — e isso tem sido negociado no texto — é de que esse documento deve ser sobre a segurança alimentar, uma vez que esse será o tema principal a ser discutido entre os países. Nesse aspecto, são documentos bastante diferentes — o do G7 e o do G7 com os países convidados”, afirmou o secretário de Assuntos Econômicos do Ministério das Relações Exteriores, Maurício Lyrio.

Agenda de Lula

No último dia de agenda oficial na cúpula do G7, Lula tem ao menos seis reuniões confirmadas, com chefes de governo e com empresários. Além disso, vai participar de uma visita dos chefes de governo ao Parque Memorial da Paz e da sessão conjunta “Rumo a um mundo pacífico, estável e próspero”.

Confira a agenda completa do presidente Lula para o domingo. Os horários são do Japão, 12 horas à frente do de Brasília:

• 8h30: Visita dos chefes de delegação dos países convidados e das organizações internacionais, com respectivos cônjuges, ao Parque Memorial da Paz de Hiroshima;

• 9h50: Encontro com o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau;

• 10h40: Encontro com o primeiro-ministro da República da Índia, Narendra Modi;

• 11h45: Sessão de trabalho do G7 mais países convidados: “Rumo a um mundo pacífico, estável e próspero”;

• 14h30: Encontro com o secretário-geral da Organização das Nações Unidas, António Guterres;

• 15h15: Encontro com o primeiro-ministro da República Socialista do Vietnã, Pham Minh Chinh;

• 16h15: Encontro com o presidente da União das Comores, Azali Assoumani;

• 17h00: Reunião com banco de financiamento e conglomerados empresariais japoneses.

*Via R7

Últimas