Santa Catarina registra menor índice de mortes violentas em 14 anos

Mortes violentas contemplam homicídios, latrocínios, lesão corporal seguida de morte e mortes decorrentes de ação policial

Foto: Divulgação

- PUBLICIDADE -

Os números de mortes violentas em Santa Catarina caíram 9% em comparação com o ano anterior. A Polícia Militar de Santa Catarina (PMSC) forneceu o relatório nesta quarta-feira, 05. O ano de 2020 já tinha apresentado queda em comparação com os anos anteriores, o que reflete no melhor número dos últimos 14 anos. As mortes violentas contemplam homicídios, latrocínios, lesão corporal seguida de morte e mortes decorrentes de ação policial (militar ou civil). Os números de roubos também mostraram quedas seguidas nos últimos dois anos.

> Clique aqui e receba as principais notícias do sul catarinense no WhatsApp

- PUBLICIDADE -

Os registros das mortes violentas intencionais caíram de 811 em 2020 para 739 ocorrências em 2021. A média dos últimos anos (2008 a 2019) era de 921. As regiões policiais militares (RPM) em Balneário Camboriú e Florianópolis apresentaram as maiores quedas, de quase 30%. As mortes em decorrência de intervenção policial também reduziram 21%. Os feminicídios, que decorrem de assassinatos decorrentes de gênero, apresentaram de 60 para 55, uma redução de 8% em comparação com 2020.

As três cidades com menor taxa de homicídios por 100 mil habitantes, dentre os 30 municípios mais populosos em Santa Catarina, são Gaspar, Mafra e Jaraguá do Sul. Nos crimes contra o patrimônio, o número de roubos (com emprego de violência) baixou 5% em comparação com 2020 e 27% em relação a 2019. Já os furtos (sem violência) mantiveram estáveis nos dois últimos anos, mas com queda de 18% comparado a 2019.

Para o comandante-geral da PMSC, coronel Marcelo Pontes, o trabalho integrado do Colegiado Superior de Segurança Pública e Perícia Oficial, com PMSC, Polícia Civil, Corpo de Bombeiros Militar e Polícia Científica, é um fator que tem colaborado nas ações coordenadas: “trabalhar de forma integrada e focar nas ações preventivas tem nos auxiliado a reduzir esses índices. Destaque para o trabalho da Inteligência policial que serviu de suporte para as ações operacionais devidamente planejadas, as ações internas visando à qualificação dos policiais militares com a realização de Encontros Técnicos e cursos de especialização, os investimentos em viaturas, armamentos e equipamentos foram algumas das ações importantes na prevenção e na repressão aos crimes violentos”, finalizou o coronel Pontes.

O presidente do Colegiado Superior de Segurança Pública e Perícia Oficial, Giovani Eduardo Adriano, destaca que as mudanças implementadas pela atual gestão do Governo do Estado estão proporcionando uma melhor entrega de serviços para a população: “O redesenho da Segurança Pública, elaborado pelo governador Carlos Moisés, deu certo. Os índices de criminalidade estão em queda. Tivemos dois anos de pandemia, mas agora a tendência é que a vida volte ao normal cada vez mais. Precisamos estar atentos a isso”.

Coletiva na próxima semana

Na próxima semana, o Colegiado Superior de Segurança Pública e Perícia Oficial concederá uma entrevista coletiva para detalhar os números e explicar os motivos da queda na criminalidade em Santa Catarina. O presidente Giovani Eduardo Adriano também detalhará o planejamento das forças de segurança do Estado para o ano de 2022.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.