Policial suspeito de matar ex-companheira é preso preventivamente

Prisão em flagrante foi convertida em prisão preventiva na audiência de custódia, realizada no final da tarde desta sexta-feira (25/11). A vítima foi assassinada na manhã de quinta-feira (24/11), após descer do ônibus para ir à creche na qual trabalhava como professora.

Foto: Divulgação: DIC – PCSC

- PUBLICIDADE -

O Policial Militar suspeito de ter praticado feminicídio contra a ex-companheira na manhã de quinta-feira (24/11), em Florianópolis, teve a prisão em flagrante convertida em prisão preventiva após manifestação do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), em audiência de custódia realizada no final da tarde desta sexta-feira (25/11). 

Para o Promotor de Justiça André Otávio Vieira de Mello, titular da 36ª Promotoria de Justiça da Comarca da Capital, a prisão preventiva tem como fundamento a ordem pública, conveniência da instrução criminal e garantia da aplicação da lei penal. Em função disso, se manifestou pelo deferimento do pedido feito pela Autoridade Policial e a Justiça atendeu ao pedido. 

- PUBLICIDADE -

O crime foi praticado por volta das 7h30 de quinta-feira, após a vítima descer do ônibus para à creche na qual trabalhava como professora no bairro Tapera. Ela teria sido abordada e discutido com o ex-companheiro, que sacou a arma e a matou. 

“Todos os dias um número significativo de mulheres, jovens e meninas são submetidas a alguma forma de violência no Brasil: assédio, exploração sexual, estupro, tortura, violência psicológica, agressões por parceiros ou familiares, perseguição. Os autores nutridos por mecanismos conscientes e inconscientes de raiva, intolerância, agressividade e inaptidão social, movidos pela patologia do apego, praticam crimes diversos”, ressaltou o Promotor de Justiça. 

Vieira de Mello apresentou dados que demonstram a gravidade do problema no Brasil. “No mapa da violência do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), número de mulheres assassinadas aumentou expressivamente no brasil. No ranking mundial do feminicídio segundo o Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos coloca o Brasil entre os cinco países, junto com El Salvador, Guatemala, Colômbia E Rússia, que estatisticamente apresentam maiores índices de feminicídio. O Cronometro da Violência Contra as Mulheres no Brasil do instituto Patrícia Galvão aponta que a cada duas horas uma mulher é assassinada. A cada dois minutos uma mulher é espancada”, finalizou

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.