Mau tempo prejudica vistoria na BR-376; rodovia ainda não está liberada

Trecho da rodovia que liga Paraná e Santa Catarina segue interditado após deslizamento que deixou duas pessoas mortas nesta semana

Foto: nd+

- PUBLICIDADE -

O mau tempo deste sábado (3) prejudicou a vistoria que seria realizada na BR-376, em Guaratuba, a fim de avaliar a liberação da rodovia após o grande deslizamento da última segunda-feira (28), que deixou duas pessoas mortas.

Segundo a PRF (Polícia Rodoviária Federal), que atribuiu as informações à Arteris Litoral Sul, concessionária que administra a rodovia, a vistoria não foi realizada pelas más condições do tempo.

- PUBLICIDADE -

Contudo, continuam os trabalhos de remoção do material sobre a pista, desobstrução e recuperação dos danos causados e do pavimento no sentido Norte. Não há previsão para a liberação da rodovia.

Ainda de acordo com a PRF, quando houver condições para a liberação da pista, a corporação vai coordenar uma operação para restabelecer a normalidade do fluxo de veículos.

Vale lembrar que, na região, a BR-280, em Corupá, também está interditada. Já a Serra Dona Francisca, outra rota alternativa, registra lentidão durante o dia e está bloqueada à noite. A opção para os motoristas que trafegam entre Paraná e Santa Catarina é usar a BR-116.

Buscas por vítimas encerradas

Na sexta-feira (2), as buscas por vítimas foram encerradas no local. Segundo o Gabinete de Crise instalado pelo governo paranaense, varreduras foram feitas em toda a área e nenhum veículo ou vítima foram encontrados.

Após o deslizamento no km 669, seis pessoas foram resgatadas pelas equipes de socorro, seis não precisaram de atendimento e duas morreram: os caminhoneiros João Maria Pires, 60 anos, e Marcio Rogério de Souza, 51.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.