Criciúma: Cribus lança campanha contra a importunação sexual nos ônibus

Iniciativa que tem parceria com a Polícia Civil, tem o principal objetivo de promover a conscientização sobre a importância das denúncias

Foto: Divulgação

- PUBLICIDADE -

O Consórcio Criciumense de Transporte Urbano (Cribus), em parceria com a Polícia Civil de Criciúma, está promovendo uma campanha de conscientização contra a importunação sexual nos ônibus e terminais de Criciúma. Por meio da iniciativa foram colocados em ônibus e nos terminais, além da divulgação no site e redes sociais do Cribus, cartazes e peças publicitárias que reforçam que importunação sexual é crime sob pena de um a cinco anos de reclusão e mostrando a importância da denúncia para esses casos.

Além da campanha de conscientização que está sendo realizada em todos os terminais e ônibus das empresas que fazem parte do Consórcio Cribus, várias iniciativas como a instalação de câmeras de segurança nos terminais e nos ônibus tem auxiliado na identificação dos criminosos e garantindo ainda mais segurança para quem precisa utilizar o transporte público em Criciúma.

- PUBLICIDADE -

“Este movimento faz parte de uma campanha nacional de respeito às individualidades no transporte, é coletivo e para ser usado por todas as camadas da sociedade, em segurança. E o Cribus faz parte desta corrente juntamente com os setores de segurança da sociedade. Queremos mostrar que os ônibus são seguros e estamos usando a tecnologia em favor dos clientes. E, caso ocorra alguma anormalidade, poderemos contribuir com a segurança pública da nossa cidade”, explica o presidente do conselho, Carlos Alberto Andrade. “Todos os ônibus estão sendo equipados com câmeras. Isso vai proporcionar muito mais segurança aos nossos clientes, controles dos processos operacionais, transparência no sistema, controle de depredação e auxilia os órgãos de segurança pública”, complementa Carlos.

Para o síndico dos terminais de passageiros de Criciúma, Agnaldo Cerilo, a campanha é muito importante. “Qualquer tipo de assédio deve ser combatido, principalmente contra mulheres e adolescentes. Hoje todos os terminais de embarque e a galeria são monitorados 24 horas por dia e as imagens ficam armazenadas por sete dias. E houver algum problema, o usuário poderá solicitar imagens juntamente a administração do condomínio, trazendo consigo o boletim de ocorrência da polícia. Todo o suporte é dado para que esses casos sejam investigados”, esclarece Agnaldo.

Apoio da Polícia Civil

A iniciativa idealizada pela especialista em segurança pública e investigadora da Polícia Civil de Criciúma, Isabel Cristina Feijó, e colocada em prática pelo consórcio, tem como principal objetivo de levar informação e esclarecer à comunidade que importunação sexual é crime.

“Sou investigadora na Delegacia da Mulher e me chamou atenção os crimes de importunação sexual que ocorrem nos terminais e no transporte público. Percebi um padrão nesses crimes, tanto no abusador, como na vítima. Quando íamos perguntar à vítima maiores detalhes sobre o caso, elas contavam que ficavam paralisadas, sem saber como agir. E é isso que precisamos mudar. Por mais que a pessoa seja identificada, seja indiciada, cumpra uma pena, não mudaremos essa cultura se não trabalharmos com educação. Não adianta só buscar reparar essa vítima, se eu não buscar também mudar essa cultura de abuso e de exploração do corpo da mulher”, explica Isabel.

Segundo a especialista, para que o projeto dê certo, foi fundamental essa parceria com as empresas de ônibus. “Elas já são grandes parceiras. Quando buscamos informações, imagens sobre esses acontecimentos nós sempre temos acesso. A ideia foi ampliar essa parceria para que esses espaços se tornassem um local de divulgação e educação. Divulgação para as vítimas dos canais de denúncia, para que elas saibam que não estão sozinhas e que naquele espaço elas também estarão protegidas. Além disso, se torna um canal também de informação para os homens, para que eles saibam que aquele comportamento não é aceitável, que é um comportamento criminoso e que vai sim, ter consequências.”, explica Isabel. “É uma forma de nós, enquanto Polícia Civil, trabalharmos não só na ocorrência do crime, mas também na prevenção”, complementa.

Importância da campanha

De acordo com o delegado da Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso – DPCAMI de Criciúma, Fernando Possamai, na maioria dos casos, a vítima acaba não registrando os abusos sofridos. “Por isso é tão importante promover uma campanha de conscientização. Quando há o registro no momento do ato, é identificado o autor, conseguimos iniciar o inquérito policial e a pessoa pode ser autuada em flagrante e cumprir uma pena de um a cinco anos de prisão”, explica o delegado.

É caracterizado como importunação sexual casos como quando a pessoa encosta o órgão sexual na vítima ou pratica algum ato libidinoso na frente dela, por exemplo. “Na maioria das vezes o flagrante não ocorre porque a vítima acaba não denunciando no momento. Mas é possível que ela seja identificada depois e responda pelo mesmo crime. Precisamos cada vez mais trabalhar a conscientização da comunidade e dos órgãos públicos para inibir a ação do agressor. Eles precisam saber que estão sendo fiscalizados e que podem ser identificados. A maioria desses casos registrados são com mulheres, mas vale ressaltar que, caso esse tipo de importunação ocorra com crianças ou adolescentes menores de 14 anos, o agressor passa a responder por estupro de vulnerável, podendo pegar de 6 a 12 anos de prisão”, esclarece o delegado.

Saiba mais:

Em casos de importunação sexual nos ônibus, denuncie pelos números:

190 da Polícia Militar e 190 da Polícia Civil.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.