Caso Beto da EJW: réus são condenados por homicídio qualificado

O crime foi motivado por ganância e inconformidade por parte do réu Jorge Acir Cordeiro, que não aceitava sua saída da sociedade empresarial EJW Construtora Ltda. Para se vingar da vítima, encomendou sua morte pelo valor de R$ 5 mil


- PUBLICIDADE -

Após 14 anos, o caso do assassinato do empresário conhecido como “Beto da EJW”, em Araranguá, teve uma conclusão. A sessão do Tribunal do Júri, que começou na quarta-feira, terminou na madrugada desta sexta-feira, 12, com a condenação de Jorge Acir Cordeiro, mandante do crime, e do autor Daniel Alves.

Jorge Acir Cordeiro foi condenado a 16 anos de reclusão, em regime inicial fechado, por homicídio qualificado por motivo torpe e recurso que impossibilitou a defesa da vítima. Já Daniel Alves foi sentenciado ao mesmo tempo de pena pelo crime de homicídio qualificado por meio que impossibilitou a defesa da vítima.

- PUBLICIDADE -

Os jurados, por outro lado, absolveram o terceiro réu, Mariel Alves da Silva, entendendo que ele não participou do crime. Atuaram perante o Júri os Promotores de Justiça Gabriel Ricardo Zanon Meyer e Pedro Lucas de Vargas. Os familiares de Beto estiveram no Tribunal do Júri vestindo camisetas que pediam por “justiça”.

 

Créditos das fotos: Post TV/Jornal Enfoque Popular

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.