Vereador Taliano é cassado na Câmara de Urussanga

Sessão de julgamento da Comissão de Investigação e Processante (CIP) foi realizada nessa quinta-feira, 09

Foto: Nilton Alves/ TN

- PUBLICIDADE -

José Adílio
Urussanga

O vereador Rozemar Sebastião, o Taliano (PDT), foi cassado do cargo por denúncias de práticas de condutas incompatíveis com o decoro parlamentar. A sessão de julgamento foi realizada nessa quinta-feira (9). Ele recebeu dois terços dos votos nas denúncias apresentadas. Assume a vaga deixada por Taliano, o primeiro suplente, Erotildes Borges Filho, também do PDT.

- PUBLICIDADE -

> Clique aqui e receba as principais notícias do sul catarinense no WhatsApp

A sessão extraordinária para o julgamento iniciou às 9 horas e transcorreu de forma tranquila, com a leitura das principais peças processuais: denúncia, relatório final da CIP, voto divergente do vereador Odivaldo Bonetti e manifestação do Ministério Público em autos judiciais – esta, a pedido da defesa. Houve ainda as manifestações dos vereadores, do denunciado e de sua defesa, e a reunião foi encerrada às 14h30, com a votação que resultou no afastamento do denunciado.

Votação

Na votação dos itens da denúncia, Taliano foi considerado, por unanimidade, inocente da acusação de conluio com agentes da Fundação Ambiental Municipal de Urussanga (Famu) para liberação irregular de um loteamento. Ele foi considerado culpado por dois terços dos votos, pela prática de crime ambiental, ameaça de morte ao fiscal da Famu e extravio de documento de infração ambiental para obter vantagem financeira decorrente do não pagamento da multa.

Foram favoráveis à cassação o presidente da CIP, Ademir Bonomi (MDB); o relator, Fabiano de Bona (PSDB); o presidente do Legislativo, Elson Roberto Ramos, o Beto Cabeludo (MDB); Daniel Reges Pereira Moraes (PSD) e os suplentes Archangelo De Noni (MDB) e Rosane de Brida Benedet (PDT).

A segunda suplente do PDT, Rosane de Brida Benedet, participou da votação no lugar do primeiro suplente Erotides Borges Filho, que alegou motivos de saúde. Ela ocupou a cadeira de Taliano, que estava sendo julgado. Já o vereador Luan Francisco Varnier (MDB) não pôde participar da votação por ser um dos denunciantes, sendo substituído pelo suplente Archangelo De Noni Neto. Os vereadores Odivaldo Bonetti (PP), José Carlos José (PP) e Thiago Mutini (PP) votaram contra a cassação.

Defesa vai pedir a nulidade da sessão

Segundo o advogado de defesa do vereador Rozemar Sebastião, o Taliano, advogado Alessandro Abreu, o processo pedindo a nulidade da sessão já foi protocolado. “A nulidade do processo é absoluta”, aponta o advogado. Segundo ele, o vereador deverá retornar ao cargo em breve.

Já fomos para a Câmara sem nenhuma esperança de um resultado diferente do ocorrido, pois o objetivo da cassação do vereador Taliano é de eles chegarem ao prefeito afastado Luis Gustavo Cancellier. “A decisão da Câmara já era conhecida”, declara o advogado de defesa. Segundo ele, o processo está viciado desde o início.

Vereador Taliano

O vereador Rozemar Sebastião, o Taliano, saiu tranquilo da sessão que o afastou da Câmara. Ele deu entrevista à imprensa alegando inocência. Já na sessão de terça-feira, última que participou, ele usou a tribuna para fazer algumas ponderações. “Mais uma vez não é a justiça, não são os promotores, mas sim os vereadores que podem me cassar, os motivos todos conhecem, a máquina que eu mandei para um agricultor quando eu era secretário”, falou na tribuna.

Segundo ele, estão lhe acusando de intermediar a instalação de um loteamento que ele nem sabe do que se trata. “É fácil denunciar e eu tenho que pagar advogado para me defender, o que é isso? E vocês vem aqui ferrar com a minha vida, parece um Big Brother, estou no quarto paredão, toda semana estão tentando me cassar, querem me sangrar, acabar comigo, com quem trabalha, eu não roubei um centavo do poder público”, reiterou.

Taliano disse que a população de Urussanga vai saber quem lhe cassou e vai querer saber o motivo. “Esses indiciamentos contra mim não são verdadeiros, estou provando na justiça, eu não tinha contato com a Fundação do Meio Ambiente para abrir loteamento e o fiscal disse que eu o ameacei de morte, é a palavra dele contra a minha”, explicou.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.