Urussanga: quatro pessoas envolvidas em invasão de celular

Celular é de uma ex-servidora; Inquérito Policial que investiga caso foi encaminhado ao Ministério Público que deve se manifestar em 15 dias se vai oferecer denúncia

Foto: Arquivo/TN

- PUBLICIDADE -

Maíra Rabassa
Urussanga

A Polícia Civil de Urussanga concluiu o inquérito sobre a invasão do Whatsapp Web da ex-secretária municipal, Andrezza Baldessar. Foram indiciadas quatro pessoas: dois ex-servidores públicos, um vereador e um ex-vereador/servidor público. Segundo denúncia de Andrezza, foram mais de 400 minutos de conversas hackeadas em junho deste ano.

- PUBLICIDADE -

> Clique aqui e receba as principais notícias do sul catarinense no WhatsApp

O inquérito apontou que houve o crime de “invasão de dispositivo informático”, infringindo o artigo 154-A* do Código Penal. O aplicativo da ex-secretária estaria logado no computador da prefeitura, o que teria possibilitado a gravação de conversas e áudios. “Ficou comprovado o que a vítima havia denunciado”, completa o delegado Márcio Neves.

Segredo de justiça
Na época a polícia ainda apreendeu dois celulares dos suspeitos, um ex-vereador e outro vereador. O processo segue em segredo de justiça. “O caso foi encaminhado para o Ministério Público que tem até 15 dias para se manifestar se vai ou não oferecer a denúncia”, conclui o delegado.

*O que diz a lei: Art. 154-A. Invadir dispositivo informático de uso alheio, conectado ou não à rede de computadores, com o fim de obter, adulterar ou destruir dados ou informações sem autorização expressa ou tácita do usuário do dispositivo ou de instalar vulnerabilidades para obter vantagem ilícita: (Redação dada pela Lei nº 14.155, de 2021). Pena – reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro) anos, e multa.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.