Onze candidatos disputam a Presidência do Brasil

Mesmo com um número expressivo de concorrente, pleito está polarizado entre Lula e Bolsonaro

Foto: Divulgação

- PUBLICIDADE -

Criciúma

 

- PUBLICIDADE -

A escolha pelo novo presidente do Brasil será neste dia 2 de outubro, quando os mais de 156 milhões de eleitores irão às urnas. Neste ano, 11 candidatos disputam o posto de mandante do País. Porém, pesquisas eleitorais divulgadas pelos grandes veículos de imprensa apontam polarização entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o atual presidente Jair Messias Bolsonaro. Caso nenhum dos candidatos alcance mais de 50% dos votos válidos será necessário a realização do segundo turno, que será no dia 30 de outubro.

No começo da campanha eram 12 nomes no páreo, porém as candidaturas do coach Pablo Marçal (PROS) e do ex-deputado federal Roberto Jefferson (PTB) foram indeferidas. Marçal não pôde ser candidato a presidente da República porque o presidente do partido, Eurípedes Júnior, retirou a candidatura dele e declarou apoio ao ex-presidente Lula (PT). Já Jefferson teve a candidatura negada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), já que ele está inelegível até dezembro de 2023 devido à condenação no julgamento do mensalão, ele teve o nome substituído por padre Kelmon Luiz da Silva Souza.

Chegaram até o final da disputa Ciro Gomes (PDT), José Maria Eymael (DC), Luiz Filipe d’Ávila (Novo), Jair Bolsonaro (PL), Léo Péricles (UP), Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Padre Kelmon Luiz da Silva Souza (PTB), Simone Tebet (MDB), Sofia Manzano (PCB), Soraya Thronicke (União Brasil) e Vera Lúcia (PSTU).

Durante a campanha eleitoral, as atenções se dividiram entre o ex-presidente Lula e o atual Jair Messias Bolsonaro, que durante os debates em que os dois estiveram sempre houveram trocas de acusações. O petista sempre apareceu em primeiro lugar nas intenções de votos ficando sempre na faixa dos 45%, já o atual presidente aparece sempre em segundo lugar na faixa dos 35%, conforme as pesquisas divulgadas nos veículos de comunicação nacional.

Ciro Gomes (PDT)

Ciro Gomes é de Pindamonhangaba, interior de São Paulo. Foi governador do Ceará, ministro da Fazenda no governo Itamar Franco e ministro da Integração Nacional no governo Lula. Disputou as eleições presidenciais de 1998 e 2002 pelo PPS e de 2018 pelo PDT, quando ficou em terceiro lugar. Ciro Gomes é candidato à Presidência da República em 2022 e disputa sua quarta eleição presidencial.

Constituinte Eymael (DC)

José Maria Eymael é natural de Porto Alegre (RS). Ele é graduado em Filosofia e Direito pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Eymael fez carreira não só como advogado, mas também empresário no ramo de marketing e comunicação. Em 1962, se filiou ao antigo Partido Democrata Cristão, e, em 1986, se elegeu deputado federal por São Paulo na Assembleia Constituinte, e foi reeleito no pleito seguinte. Eymael é candidato a presidente da República em 2022 e disputa sua sexta eleição presidencial.

Luiz Felipe d’Avila (Novo)

Nascido em São Paulo, Luiz Felipe D’Ávila tem 58 anos e é formado em Ciência Política. Atuou como editorialista, comentarista político, e também como diretor de editoras e escritor. Em seus livros, defende uma agenda liberal. Fundou uma ONG dedicada à formação de líderes políticos e agora é candidato a presidente da República nas eleições 2022 pelo Novo.

Jair Bolsonaro (PL)

O presidente Jair Bolsonaro, 67 anos, se filiou ao PL em novembro para disputar a reeleição. Ele é natural de Glicério (SP), seguiu carreira militar e chegou a capitão. Deu início à carreira política em 1988, quando se elegeu vereador. Depois, entre 1990 e 2018, ocupou a cadeira de deputado federal. Por último, se elegeu presidente como o 1º militar que chegou ao posto pelo voto desde 1945. A candidatura de Bolsonaro à reeleição para a Presidência da República foi oficializada pelo PL no dia 24 de julho de 2022.

Léo Péricles (UP)

Leonardo Péricles, 40 anos, nasceu em Belo Horizonte (MG). Péricles deu início à militância política nos anos 2000, no âmbito do movimento estudantil. Na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) foi eleito diretor da União Nacional dos Estudantes (UNE). Em 2011, passou a integrar o Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas (MLB), e liderou ocupações urbanas e protestos de junho de 2013 em BH. Em 2020, concorreu à vice-prefeito da capital mineira. Agora Léo Péricles é candidato a presidente da República nas eleições 2022 pelo UP.

Lula (PT)

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é candidato a presidente da República em 2022 pelo PT e é o principal adversário de Bolsonaro, segundo as pesquisas de intenção de voto. Lula nasceu em Caetés, na época um distrito Garanhuns (PE), é ex-metalúrgico e governou o país entre 2003 e 2010. Em 2018, foi preso para fins de execução provisória da pena no processo do tríplex do Guarujá e foi impedido de disputar as eleições daquele ano com base na Lei da Ficha Limpa. Em 2021, o Supremo Tribunal Federal (STF) anulou as condenações de Lula. Posteriormente, os processos da Lava Jato contra ele prescreveram ou foram arquivados.

Padre Kelmon (PTB)

Kelmon Luís da Silva Souza, conhecido como Padre Kelmon, é natural de Acajutiba (BA) e tem 45 anos. Kelmon é padre ortodoxo e ajudou a criar o Movimento Cristão Conservador e lidera atualmente o Movimento Cristão Conservador Latino Americano (Meccla). Ele se tornou candidato a presidente da República em 2022 depois que Roberto Jefferson, de quem era candidato a vice, teve a candidatura negada pelo TSE.

Simone Tebet (MDB)

Simone Tebet, 52 anos, é natural de Três Lagoas (MS) e formou-se em Direito pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Fez carreira como advogada e professora. Em 2002, foi eleita deputada estadual. Depois se elegeu prefeita de Três Lagoas (MS) por 2 mandatos e foi vice-governadora, em 2010. Ao chegar ao Senado, em 2014, liderou a primeira bancada feminina, foi a primeira mulher a presidir a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), e participou da CPI da Pandemia. Agora é candidata à Presidência da República em 2022 pela ‘terceira via’. Seu nome foi confirmado em convenção partidária realizada em 27 de julho.

Sofia Manzano (PCB)

Sofia Manzano, 51 anos, é paulista e doutora em História Econômica pela Universidade de São Paulo (USP). Além de economista, também é professora universitária na Bahia. Em 2014, disputou a vice-presidência pelo PCB. Deu início à militância política pelo partido em 1989. A partir de 2013, passou a integrar o movimento sindical de professores, e foi uma das líderes de greves da categoria. Agora, Sofia Manzano é candidata à Presidência da República em 2022 pelo PCB.

Soraya Thronicke (União Brasil)

Nascida em Dourados (MS), Soraya Thronicke, 49 anos, é senadora em primeiro mandato e presidente da União Brasil Mulher. Formada em Direito com MBA em Direito Empresarial e pós-graduada em Direito Tributário e em Direito de Família e Sucessões, começou a atuar no universo político ao participar de movimentos de rua em 2013. Disputou sua primeira eleição em 2018, filiada ao PSL, e foi eleita para o Senado na onda de candidaturas bolsonaristas. Antes, Thronicke foi filiada ao Novo. Agora, foi anunciada como candidata à Presidência da República nas eleições de 2022 pelo União Brasil.

Vera Lúcia (PSTU)

Nascida em Inajá (PE), Vera Lúcia tem 54 anos e é socióloga pela Universidade Federal de Sergipe (UFS). Ainda criança, se mudou com a família para Aracaju (SE). Na capital, trabalhou como garçonete, datilógrafa e depois entrou para uma indústria de calçados, e com isso, se engajou no movimento sindical. Em 1992, a partir de uma dissidência do PT, participou da criação do PSTU. Já foi candidata a prefeita, governadora e deputada federal. Agora Vera Lúcia é uma das candidatas a presidente da República nas eleições 2022.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.