Nícola Martins comemora promulgação das leis do QR Code e do Mototáxi

Duas leis de autoria do parlamentar foram promulgadas, na tarde de ontem, dia 21

Foto: Divulgação

- PUBLICIDADE -

O vereador Nícola Martins está de volta há menos de uma semana à Câmara Municipal e já contabiliza mais vitórias para Criciúma. Duas leis de autoria do parlamentar foram promulgadas, na tarde de ontem, dia 21, pela presidente da casa legislativa Roseli De Lucca (PSDB).

> Clique aqui e receba as principais notícias do sul catarinense no WhatsApp

- PUBLICIDADE -

Uma delas é a Lei Ordinária 8240/2022. O texto estabelece o uso facultativo de código QR e placa NFC (Near Field Communication) pelos estabelecimentos comerciais para publicização de placas obrigatórias.

Na prática, de acordo com Nícola, o dispositivo acaba com a papelada que o comerciante era obrigado a deixar exposta no estabelecimento. “Agora, ele pode utilizar apenas um QR Code ou uma plaquinha NFC”, explica.

A outra lei ordinária é a 8241/2022 e o parlamentar conta que ela revoga a vedação ao transporte remunerado de passageiros por motocicletas na cidade, o conhecido mototáxi. “E um novo modal de transporte é muito bem-vindo. Certamente vai causar um impacto positivo em nossa mobilidade urbana”, comemora Nícola.

E ele ainda acrescenta que, além de minimizar os engarrafamentos tão presentes na rotina criciumense, o mototáxi vai gerar economia para os usuários do serviço. “E se lembrarmos que, desde o período pandêmico, os horários de ônibus ainda não foram completamente retomados, a nova modalidade vai ajudar muita gente a cumprir seus compromissos”, brinca o vereador, finalizando que o serviço, agora, precisa ser regularizado pela prefeitura para ser iniciado na cidade.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.