Criciúma: escolas relatam problemas com drogas

Integrantes das instituições de ensino de Criciúma estiveram na Frente Parlamentar criada na Câmara de Criciúma

Foto: Divulgação

- PUBLICIDADE -

José Adílio
Criciúma

No encontro realizado no Plenarinho da Câmara da Frente Parlamentar Sobre Drogas e Saúde Mental, na última terça-feira, representantes das escolas públicas de Criciúma relataram problemas com o uso de drogas. Eles ainda relataram que muitas vezes não têm a quem recorrer para pedir ajuda no combate ao problema. Segundo os relatos, muitos adolescentes são usuários e, em alguns casos, as dificuldades existem até no contato com as famílias. O presidente da Frente Parlamentar, vereador Manoel Rozeng, destaca que este é um problema recorrente e que a Frente foi criada exatamente para buscar soluções para estes casos.

- PUBLICIDADE -

> Clique aqui e receba as principais notícias do sul catarinense no WhatsApp

Dificuldades 
No encontro de terça-feira, os convocados para participarem da reunião na Frente Parlamentar foram os representantes da Educação. Eles serão novamente chamados no próximo encontro marcado para a próxima semana.

O vereador aponta que os monitores das escolas fazem relatos com frequência, principalmente com a dificuldade de trabalhar os problemas, pois não têm para quem encaminhar. Segundo Rozeng, está faltando nas escolas profissionais preparados para trabalhar com os adolescentes problemáticos, como psicólogos e assistentes sociais.

Alguns relatos feitos no encontro da Frente Parlamentar chamaram atenção, como de uma adolescente de 16 anos, que além de ser usuária, ainda incentiva os colegas a fazerem o
uso, em algumas ocasiões usando as páginas das redes sociais. “Ela é uma pessoa legal com os colegas, mas para podê-los induzi-los ao uso”, contou um representante de escola, que prefere não se identificar com medo de represália dos traficantes.

Lei aprovada proíbe venda de produtos viciantes
Rozeng explica que a Frente Parlamentar foi criada para ajudar a buscar políticas públicas que venham ajudar neste problema com as drogas. Segundo ele, o fato dos representantes
das escolas não ter a quem recorrer é por falta de leis a serem criadas que venham
incentivar o trabalho no combate às drogas.

Para tentar ajudar, o vereador Manoel Rozeng já fez aprovar na Câmara de Vereadores
de Criciúma uma lei que proíbe a comercialização de produtos que causam dependência a
menores. Rozeng argumenta que o levou a criar a lei porque tem observado que os produtos estão sendo vendidos sem controle. “Vamos tentar restringir um pouco a venda destas substâncias”, pontua. A lei aprovada proíbe vender, ofertar, fornecer e entregar produtos à base de tricloroetileno, clorofórmio, éter, benzima, fenol e óxido nitroso. Segundo ele, agora com a lei aprovada, pretende criar formas de poder fiscalizar para evitar que a prática continue sendo realizada.

O vereador também aponta que cada vez mais jovens, os adolescentes estão fazendo o
uso de álcool. Numa pesquisa realizada na Satc, o resultado apontou que 80% dos adolescentes disseram que já haviam feito o uso de álcool.

Efeito
Solventes orgânicos são substâncias altamente voláteis muito utilizadas como drogas
de abuso inalantes, principalmente por crianças, adolescentes e jovens de países subdesenvolvidos. Seus efeitos de embriaguez e euforia somados ao baixo custo e à facilidade de acesso são grandes atrativos para os jovens.

Um dos inalantes mais utilizados na América Latina, popularmente conhecido como lança perfume, apresenta vários solventes em sua composição, tais como cloreto de etila, éter e clorofórmio. Atualmente, o tricloroetileno também vem sendo muito utilizado
como componente dessa substância, potencializando seus efeitos e sua toxicidade.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.