Criciúma: Comissão de mobilidade urbana chega à reta final com projeções

Além do debate sobre ciclovia, projeto de integração também foi apresentado em Audiência Pública

Foto: Divulgação / Câmara de Vereadores de Criciúma

- PUBLICIDADE -

Um pacote de encaminhamentos acerca da mobilidade urbana de Criciúma foi aprovado por unanimidade em Audiência Pública (AP) da Câmara de Vereadores realizada na sede da Associação dos Municípios da Região Carbonífera (Amrec). Além de mais um debate sobre a criação de uma ciclovia na cidade, a Construtora Cavaler apresentou o projeto de melhorias no Terminal Central e entorno, o que contribuirá com o tema. A empresa já está autorizada e com a ordem de serviço assinada. Visando dar celeridade às melhorias, o Legislativo aprovou uma Moção de Apoio ao projeto, dentre outros temas.
Estiveram presentes representantes de bairros e de grupos de ciclistas, dentre eles Rudinei Fernandes, representando o Grupo do Pedal. Rudinei é tio do menino Mateus Gavilan Fernandes, de 13 anos, vítima de acidente de trânsito em junho de 2020, na área central da cidade. O adolescente andava de bicicleta no canteiro central quando se desequilibrou, caiu e foi atingido por um ônibus, não resistindo ainda no local. Aliás, conforme levantado, em 2019 foram registrados 31 acidentes envolvendo ciclistas na cidade. Em 2020 subiu para 42 e, em 2021, saltou para 72. Como instrumento de conscientização, adesivos foram entregues aos presentes na AP.

Dentre os encaminhamentos, além da ciclovia na Avenida Centenário, foram aprovados ainda o fechamento da principal avenida da cidade para servir como área de lazer (ciclismo, caminhada, corrida, dentre outros) um domingo ao mês, pela manhã, assim como ocorre em grandes centros; a implantação do Dia Municipal do Ciclista; campanha de conscientização por parte do Município; projeto de parceria com as autoescolas para educação no trânsito, principalmente sobre o ciclista; criação de uma lei sobre as responsabilidades dos danos ao patrimônio; educação no trânsito nas séries iniciais e substituição das tampas de boca de lobo por plástico reciclável ou concreto, principalmente devido aos furtos desses materiais, requerimento este do vereador Juarez de Jesus (PSD).

- PUBLICIDADE -

Abrindo a AP, o relator da Comissão Especial sobre o Projeto de Ciclovias, Júlio Kaminski (PP), caracterizou o ato como um marco. “Com esses encaminhamentos estamos praticamente em um processo de elaboração do plano de mobilidade urbana, o que contempla o que estamos discutindo, e na fase final para apresentar ao Executivo o projeto”, informou. O vereador Juarez de Jesus também caracterizou como sendo de extrema importância para o futuro da cidade. “Sabemos que existe um belo projeto por parte da Unesc, que veio até nós e também fomos até eles, mas sabemos também que existe um plano de mobilidade urbana que precisa ser encaixado neste projeto. Por isso a relevância desses encaminhamentos”, complementou, acrescentando que, durante a mobilização sobre o tema, diversos órgãos, entidades, sociedade civil organizada, grupo de ciclistas e representantes de classe participaram da discussão.

Centro de “cara nova”

Representando a Construtora Cavaler, Luciana Cavaler, detalhou o Projeto de Integração dos Túneis do Terminal Central de Criciúma, de iniciativa privada que, reforça, trará mobilidade, acessibilidade e economia ao município. O projeto contempla, não somente a área do terminal de ônibus, mas as construções no entorno.

“E há condições de juntarmos os dois (com o projeto da ciclovia). Precisamos melhorar, dar vida a essa área. Neste projeto os túneis serão interligados, o que não é hoje em dia. Muitas lojas dos terminais fecharam. Os túneis foram construídos debaixo da terra, é uma construção complexa, mas esse projeto dá melhorias dentro das condições que existem hoje, utilizando do mesmo espaço e respeitando todas as leis e normas. Não há impedimento”, assegurou.

Dentre outras melhorias apresentadas, a da mobilidade urbana entres os bairros Centro, Michel e Comerciário; acessibilidade para deficientes físicos; cobertura para pedestres em dias de chuva e calor; mais opções para a compra de passagem e recuperação arquitetônica e revitalização da Paulo Marcus. Além disso, o tempo breve de execução, o fomento ao turismo, a projeção e criação/manutenção de 343 novos empregos, sendo 160 diretos e 183 diretos e aumento da circulação financeira do Município em até R$ 24 milhões por ano.

De olho no futuro

O engenheiro civil da Unesc, Marcio Vito, ressaltou que é necessário pensar no futuro neste momento. “Soubemos da complexidade de inserir algo novo dentro de uma situação antiga, como a Avenida Centenário, construída há anos. Quem sabe agora pode ser viável. Quando se trata de mobilidade existe uma série de normas e nos baseamos em modelos de ciclovia fora do Brasil, não porque aqui estamos ultrapassados, mas é porque lá eles estão muito mais à frente, avançados. Quanto mais bicicletas, quanto mais pedestres, melhor a mobilidade urbana, mas para isso tem que dar condições, tem que ter segurança”, declarou. No quesito segurança, ele exemplificou que no projeto da ciclovia há uma mureta de proteção de 90 centímetros de concreto. “Ou seja, se o motorista do ônibus por qualquer motivo se perder, ele vai bater ali. O ciclista estará bem protegido”.

O ciclista João Luiz Virtuoso, do Instituto John Bike, acrescentou que a mobilidade é abrangente, não somente para ciclistas. “E sabemos que há muitas pessoas que não andam de bike, pois têm medo. E muitos motoristas não respeitam o 1,5 metro. Mobilidade é liberdade, para caminhar, pedalar. Os parques são maravilhosos, mas precisamos chegar até eles. Meu receio é que demore para sair do papel, mas só temos a agradecer a Câmara por ter essa Comissão da qual eu fico muito feliz em participar de alguma forma”.

Educação

O advogado e presidente da Comissão de Trânsito da OAB de Criciúma, Vinícius Lourenço Ribeiro, ressaltou a educação como base primordial na questão do trânsito, em um contexto geral. “Nada será efetivo, se não tiver, primeiro de tudo a educação, que tem que começar na base. As autoescolas também têm um papel fundamental. Sempre trago o exemplo de Brasília que conseguiu fazer com que o motorista pare na faixa de pedestre. É um trabalho de conscientização. O assunto é instigante e a OAB e a Comissão de Trânsito estarão sempre à disposição”, colocou.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.