Mil e quinhentos quilos de farinha para produzir os sonhos de São Roque

Festa religiosa de Morro da Fumaça busca vender 30 mil unidades da guloseima abençoada até sexta-feira, 12

Foto: Divulgação

- PUBLICIDADE -

Maíra Rabassa
Morro da Fumaça

Até o próximo 16 de agosto, Morro da Fumaça estará em festividades. As comemorações
em honra ao padroeiro do município São Roque e Nossa Senhora da Glória começaram no último domingo, dia 7, com a corrida rústica, e desde ontem, os festeiros estão com as vendas abertas dos sagrados sonhos, além de pães, broas e roscas no Salão Paroquial. “Todos os recursos arrecadados serão destinados para a melhoria e manutenção da evangelização da Igreja Matriz, que completa 64 anos”, destaca Fábio Búrigo Cesca, presidente da comissão organizadora. Os sonhos são abençoados pelo padre antes de
serem vendidos.

- PUBLICIDADE -

> Clique aqui e receba as principais notícias do sul catarinense no WhatsApp

Serão produzidos 30 mil sonhos e mil pães que serão vendidos até esta sexta-feira, 12. Para a elaboração das guloseimas, mais de 40 voluntários começam a fabricação já de madrugada, a partir das 3h. Serão utilizados: 1,2 mil ovos, 500 litros de azeite, 400 quilos de açúcar, 1,5 mil quilos de trigo, 70 quilos de margarina e 500 litros de leite. “Vendemos
hoje (ontem) sete mil sonhos. Tinha fila de espera”, revela Cesca.

O organizador destaca, ainda, a importância de ter um evento deste na região. “A ideia é trazer para as pequenas cidades estas experiências. E tudo isso é possível porque temos
o apoio da comissão organizadora e também da Secretaria de Cultura que sempre nos deu apoio para a realização do Varal”, afirma.

Leia a matéria completa na edição desta quinta-feira, 11 do jornal impresso Tribuna de Notícias.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.