IFSC Criciúma: equipe representará o Brasil na RoboCup, na Tailândia

Competição mundial de robótica acontece de 11 a 17 de julho em Bangkok, na Tailândia; grupo conquistou a vaga ao vencer a modalidade prática da Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR) em 2021

Foto: Daniel Cassol

- PUBLICIDADE -

Técnicos em Mecatrônica formados pelo Câmpus Criciúma do Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) estão se preparando para representar o Brasil na Robocup, competição mundial de robótica que acontece de 11 a 17 de julho em Bangkok, na Tailândia. Eles conquistaram a vaga ao vencer a modalidade prática da Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR) em 2021, na primeira vez em que estudantes do Estado foram campeões da competição. Agora, eles buscam apoio, através de uma campanha de financiamento coletivo, para custear parte da viagem.

> Clique aqui e receba as principais notícias do sul catarinense no WhatsApp

- PUBLICIDADE -

A Robotron é composta por Kamylo Porto, Kauan Fontanela e Lucas dos Anjos, recém formados no curso técnico em Mecatrônica do IFSC Câmpus Criciúma. Eles serão acompanhados na Tailândia pelo professor do IFSC, Paulo Sergio Gai Montedo.

Campanha de financiamento

A equipe busca apoio para custear a viagem. O orçamento, que prevê gastos com passagens, hospedagem, alimentação, documentações, inscrição e confecção do robô gira em torno de R$ 75 mil. A Robotron deve ser apoiada por uma empresa de Sangão, cidade de dois dos integrantes da equipe, pela prefeitura do município e também pelo IFSC.

Em razão do alto custo da viagem, porém, a Robotron está fazendo um financiamento coletivo para alcançar o valor que falta para fechar o orçamento. “É um custo bem elevado com viagem, estadia e confecção de um robô capaz de competir no mundial”, explica Kauan. Uma campanha criada na plataforma Vakinha busca arrecadar R$ 15 mil.

Para apoiar, basta acessar o site Vakinha e contribuir com qualquer valor (clique aqui para ser direcionado)

“Querem ir para vencer”

A Robocup, ideia de pesquisadores japoneses nos anos 90, é uma competição internacional de robótica que acontece anualmente desde 1997. Com o objetivo de fomentar a pesquisa em desenvolvimento robótico e inteligência artificial, a Robocup reúne equipes de jovens do mundo inteiro que participam de diferentes modalidades de competição.

A equipe catarinense vai participar da RoboCupJunior, na modalidade Rescue Line, que consiste na movimentação do robô de forma autônoma sob um percurso demarcado por linhas e obstáculos, além de performar uma simulação de resgate de vítimas em uma área aberta, sem as marcações de linhas. “Nosso projeto de robô bebe de diversas fontes. Estamos usando bastante dos registros de competições anteriores para ter um bom estudo, além de implementar ideias novas”, diz Kauan. O desenvolvimento do projeto ainda está na parte de prototipagem.“Logo mais pretendemos divulgar atualizações quanto ao processo no nosso site e perfil do Instagram”, conta.

Para Paulo Sérgio Montedo, professor orientador do trio, o evento vai ser um aprendizado. “Esses alunos vão representar nossa região, vão trazer muita experiência. Eles querem ir para vencer. São uma equipe muito qualificada”, diz.

Construção do robô

Neste momento, o Kamylo, Lucas e Kauan trabalham na modelagem do robô, usando o software Solid Works, onde são feitas simulações e identificados problemas a serem corrigidos. O passo seguinte é a confecção do robô, que terá peças em acrílico, MDF e outras feitas em impressora 3D. “Tudo depende da utilização da peça. Por exemplo, as laterais do robô serão em acrílico, dessa forma, temos um acabamento muito legal, precisão muito alta, resistência e pouco espaço ocupado”, explica Kamylo.

O principal desafio para a Robotron é a montagem de todos as peças, fios, motores, câmeras e sensores, que devem funcionar em perfeita sintonia para que o robô execute a programação. No ano passado, a OBR foi disputada em uma plataforma virtual. Agora, a disputa será com um robô físico. “Às vezes um sensor pode não estar funcionando por conta de um fio solto, bateria com pouca carga, ligação incorreta. Quanto mais componentes, maior a chance de algo não sair como o esperado. Além disso, existem inúmeros fatores em relação ao ambiente, como a iluminação não constante”, diz Kamylo.

Mas a Robotron está confiante, embora ciente de que estarão ao lado de equipes experientes, de diversas partes do mundo, que inclusive já venceram a RoboCup. “Sabemos que temos capacidade de chegar lá e fazer um grande resultado, como foram em outras competições passadas aqui no Brasil. Com muito esforço e dedicação, tudo é possível”, acredita.

Histórico

O Câmpus Criciúma do IFSC participa da OBR desde 2014. Apenas em duas edições não ficou com o primeiro lugar na fase estadual. A Robotron começou a disputar a OBR em 2019 e venceu as três edições da etapa catarinense. Na etapa nacional, foram ano a ano subindo de posição: oitava, sexta e finalmente campeões em 2021. Foi a primeira vez que uma equipe de Santa Catarina venceu a olimpíada de robótica.

“Foi muito puxado para conseguir chegar onde a gente chegou. Conforme o tempo vai passando, nós vamos percebendo o valor disso”, afirma Kauan. Os integrantes da Robotron esperam que a viagem à Tailândia possa estimular estudantes do IFSC e de outras instituições.

“Esperamos incentivar o pessoal que, assim como a gente, parece que está tão distante desse tipo de conquista, mas às vezes a distância é só incentivo para se dedicar mais ainda”, conclui.

Acompanhe a Robotron

A equipe atualiza as informações sobre a preparação para a RoboCup no Instagram @robotronsc. No site da equipe, é possível ler o projeto detalhado da viagem à Tailândia.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.