Duplicação da SC-108: ordem de serviço ainda não foi entregue

Falta de licença ambiental, por pendências de documentos, é o principal motivo. Liberação deve ser feita até setembro

Foto: Nilton Alves/TN

- PUBLICIDADE -

Letícia Ortolan
Criciúma/Urussanga

A falta de licenças ambientais ainda não permitiu que as obras de duplicação da Rodovia SC-108, entre Criciúma e Urussanga, saíssem do papel. De acordo com a Secretaria de Infraestrutura e Mobilidade de Santa Catarina, o Governo do Estado depende da liberação do Instituto do Meio Ambiente (IMA) para iniciar os trabalhos.

- PUBLICIDADE -

> Clique aqui e receba as principais notícias do sul catarinense no WhatsApp

Empresa vencedora
A empresa vencedora da licitação foi a Setep Construções S.A., que já está montando o escritório em Cocal do Sul. O município da instalação também terá a construção do Anel de Contorno Viário, que promete desafogar o trânsito, junto à duplicação da rodovia, conforme relatou o prefeito Fernando de Fáveri. Mais de 22 mil carros passam diariamente no trecho.

“É uma obra de suma importância para Cocal do Sul e região. Quem conhece o trânsito da nossa cidade sabe da dificuldade de mobilidade urbana que passamos. Mas agora é reta final. A empresa responsável já está se preparando para iniciar o trecho e realmente, só faltam as licenças ambientais”, destaca De Fáveri.

Segundo Ramon Meller Citadin, gerente de Licenciamento Ambiental e Autorizações de Obras Públicas do IMA de Santa Catarina, até dia 1º de setembro, a liberação deverá ser feita. “São dois tipos de licença, de corte de vegetação e de duplicação da pavimentação. Na nossa análise, vimos que o Estado estava com pendência de alguns documentos, mas já decidimos que faremos a liberação parcial para que as obras possam começar”, disse.

Leia a matéria completa na edição desta sexta-feira, 19 do jornal impresso Tribuna de Notícias.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.