Desfile ilustra imigração e emancipação de Forquilhinha


- PUBLICIDADE -

Forquilhinha

O Desfile de Integração Cultural de Forquilhinha deste sábado, dia 23 de abril, retratou a evolução territorial e populacional da Colônia, Vila, Distrito e, por último, o Município de Forquilhinha, consolidando fronteiras e agregando localidades, proporcionando a evolução dos dias atuais. Os blocos trouxeram para a avenida 25 de Julho, a história dos 110 anos de Colonização e 33 anos de emancipação político-administrativa e suas potencialidades.

- PUBLICIDADE -

“O desfile desta tarde encantou a todos os forquilhinhenses e visitantes ao contar a história da imigração. As comunidades participaram e evidenciaram as suas potencialidades desde a sua fundação ao dias atuais. Uma história rica de gente que veio pra cá com muita fé, coragem, trabalho, sempre pautado na valorização da família”, comenta o prefeito Jose Cláudio Gonçalves, o Neguinho.

Imigração alemã

A imigração alemã para o Brasil inicia no ano de 1825 com a vinda das primeiras famílias que se instalaram no Vale dos Sinos, no Rio Grande do Sul. Em Santa Catarina aportaram os primeiros imigrantes alemães na Ilha do Desterro, hoje Florianópolis, capital do nosso Estado, em 1828.
O desembarque no Desterro, na margem continental, hoje o município de Palhoça, e mais tarde se assentaram nas colônias de São Pedro, Santa Isabel e Santa Ana, de acordo com o Império, no que hoje constituem os municípios de Santo Amaro da Imperatriz, Angelina e São Pedro de Alcântara.

A partir de 1860, já sem condições de divisão das terras por herança familiar, até porque as famílias eram numerosas, inicia uma grande migração para outras regiões, sendo uma delas o Vale do Capivari, onde fundaram uma nova Colônia, no que conhecemos hoje como São Martinho.

Em 1912 chegaram a Forquilhinha as primeiras quatro famílias para tomarem assento nas terras adquiridas no ano anterior, compostas por: Gabriel Arns e Helena Steiner, João José Back e Isabela Westrup, Geraldo Westrup e Amália Back, José Arns e Elizabeth Eyng.

Já haviam moradores próximos das terras adquiridas. Eram luso-brasileiros, italianos e russos, como eram comumente denominados e também duas famílias de origem alemã de Adolfo Tiscoski e Bernardo Warmling, que logo se integraram aos pioneiros.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.