Atupam entrega doação para Hospital Materno-Infantil Santa Catarina

Associação doa, mensalmente, kit de bebês para contemplar famílias que vivem em situação de vulnerabilidade social

Foto: Nilton Alves/TN

- PUBLICIDADE -

Letícia Ortolan

Criciúma

- PUBLICIDADE -

Mais um mês, a Associação Turma Unidade Para Auxiliar Menores (Atupam) de Criciúma, beneficia famílias que vivem em situação de vulnerabilidade social. Ontem, uma nova doação de 16 kits de enxovais infantis para bebês recém-nascidos foi feita para o Hospital Materno-Infantil Santa Catarina (HMISC).

> Clique aqui e receba as principais notícias do sul catarinense no WhatsApp

Os kits, doados mensalmente ao HMISC, contém cerca de 25 peças, entre casacos, calças, vestidos e sapatos de crochê, cueiros com bordados, panos de boca e edredons para crianças. A confecção é realizada pelas 32 voluntárias da Atupam, que se reúnem todas as terças-feiras, das 13h30min às 16h, para fazer os trabalhos.

Todas as dações são feitas diretamente para o HMISC. A entrega é feita pela Atupam, diretamente para Fernanda Wellington, Assistente Social do hospital. “Eles recebem e doam para as famílias que sabem que precisam dos kits. Tudo é feito com muito carinho, pensando nos mínimos detalhes para essas mamães que precisam”, destaca Silvia Cechinel Veronez, de 73 anos, presidente da associação.

Cada peça é totalmente confeccionada pelas voluntárias. No verão, por exemplo, elas buscam produzir trajes mais leves. “Nós fazemos muitas roupinhas de crochê, pois esse é um dos grandes talentos das maiores das mulheres que compõe o grupo. Mas dependendo da estação do ano, procuramos mudar um pouco a composição do kit”, explica Adília Rafael, de 73 anos.

As doações são feitas de março a dezembro, todos os meses. Entre janeiro e fevereiro, as mulheres pegam férias. “Existem meses que a gente se reúne mais de um dia e muitas também levam trabalhos para fazer em casa”, enfatiza a presidente da Atupam.

Segundo dados do Instituto de Desenvolvimento, Ensino e Assistência à Saúde (Ideas), responsável pela gestão do HMISC, o hospital recebe uma média de 232 crianças nascidas por mês. No entanto, a Atupam não possui condições para produzir mais kits, tanto pela falta da mão de obra, quanto por não ter doações o suficiente dos insumos.

Sobre o grupo

Fundada há 45 anos, a Atupam de Criciúma é composta por mulheres aposentadas entre 55 e 93 anos. Gilda Benedet, de 90 anos, é uma das integrantes que entraram desde o início e ressalta o amor e cuidado que cada voluntária tem pelo trabalho.

“Estou na Atupam desde 1977 e já estive na presidência. Somos mulheres aposentadas que chegaram até aqui para preencher um espaço que ficou na nossa vida e depois se encantam com o trabalho. Nós fizemos o bem para quem precisa e ainda criamos laços”, comemora Gilda.

Vanda Trombin, de 74 anos, faz parte da equipe a mais de 20 anos e concorda com as palavras de Gilda. Para ela, a Atupam veio para preencher um vazio que existia no coração.

“Sou professora aposentada. Quando consegui meu aposento, fiquei muito feliz porque conseguiria descansar e ter tempo pra minha família. Mas isso foi pesando depois, até que conhece a Atupam. Aqui nós fizemos muitas amizades, criamos laços e impactamos a vida das pessoas de forma positiva”, pontua Vanda.

A Atupam está aberta para mulheres que possuem interesse em fazer parte do grupo. Pessoas que gostam de bordar, costurar, passar, fazer acabamento ou envelopar roupas, e se interessam em fazer um trabalho voluntário para a associação, podem entrar em contato com a presidente, por meio do número (48) 48 9987-9996.

Doações

A confecção dos kists é feita por meio de insumos doados por populares ou empresários que se sensibilizam pela causa. Para quem tem interesse em fazer algum tipo de doação, é possível fazer por através de valor em dinheiro, via chave pix 83.852.400/0001-52, Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNJP) da Atupam.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.