Assembleia para discutir ações no Morro do Céu será quinta-feira

O encontro busca ampliar a o movimento que busca preservar a região de obras que prejudiquem a localidade

Foto: Bruna Borges/Especial

- PUBLICIDADE -

Maíra Rabassa
Criciúma

Será realizada na próxima quinta-feira, dia 04, a primeira assembleia presencial sobre o Morro do Céu. Esse será o primeiro encontro depois da pandemia do grupo sem ser de forma virtual. Na oportunidade, mais de 100 pessoas estarão reunidas para avaliar as ações que estão sendo feitas para a preservação da localidade. “Vamos explicar para as pessoas o que está acontecendo no Morro do Céu e vamos ouvir da população sobre quais as novas atividades que poderemos realizar na região para a promoção deste espaço tão importante para a cidade, enquanto a gente espera a decisão da ação popular”, explica
Rita Pagani, uma das advogadas de ação popular contra a Prefeitura de Criciúma.

- PUBLICIDADE -

> Clique aqui e receba as principais notícias do sul catarinense no WhatsApp

Ação na justiça
Sobre a Ação Popular do Morro do Céu, Rita conta que agora aguarda a manifestação do Ministério Público de Santa Catarina. No fim de 2021, o juiz da 2ª Vara da Fazenda, Evandro Volmar Rizzo, proferiu parecer favorável à ação. No despacho, o magistrado
diz que a Fundação Municipal do Meio Ambiente (Famcri) não poderá conceder licenças de atividades ou obras no local. “Já houve contestação pelo município e pelo gestor. E já nos manifestamos sobre as teses de defesa. Agora está no prazo de manifestação do Ministério
Público”, completa a advogada.

“Queremos mostrar para a sociedade que o movimento está atento quanto a qualquer iniciativa do poder público contra o Morro do Céu. Vamos ouvir os integrantes para saber quais as propostas que eles têm para fortalecer o movimento. A assembleia vai ser para
ouvir outras sugestões que buscam dar força para as ações e para que o movimento possa continuar tendo respaldo da população, continuar tendo a visibilidade que precisa para as pessoas saberem sobre as questões ambientais, de saúde, da fauna, flora, e recursos
hídricos que ali existem”, conclui Marli de Oliveira Costa, integrante do movimento.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.