- PUBLICIDADE -

Tiago Monte

Criciúma

- PUBLICIDADE -

Fotos: Celso da Luz/CEC

O torcedor carvoeiro, finalmente, soltou o grito de “é campeão”. Na noite desta quarta-feira, o Criciúma não fez uma grande partida, mas superou o Atlético Catarinense por 1 a 0 e ficou com a taça de campeão da Série B Estadual. Com um desempenho fraco, no primeiro tempo, o time treinado por Cláudio Tencati desceu para o vestiário sob vaias. Porém, na etapa final, a equipe aumentou a velocidade e aproveitou a fragilidade do adversário para marcar o gol do jogo aos nove minutos com Rayan. No final, a torcida comemorou muito, nas arquibancadas do Majestoso.

Sob uma fraca chuva, o Criciúma começou a partida buscando o ataque. Antes do primeiro minuto, Marcos Serrato recebeu na intermediária e arriscou, mas a bola saiu torta e pela linha de fundo. O Tigre seguiu na pressão, marcando forte na defesa do Atlético Catarinense e estabelecendo dificuldade ao adversário. Aos cinco minutos, Arilson recebeu na intermediária, pelo meio, e bateu forte, mas a bola subiu e saiu. O Atlético Catarinense se retraía, marcava forte e tentava sair rápido em contra-ataques. Aos nove minutos, Cristovam fez boa jogada pela direita, após receber de Lohan, e cruzou, mas a zaga afastou. Aos 10 minutos, Fellipe Mateus bateu com muita força, de fora da área, e a bola explodiu em Rafael Lima que desabou no gramado e chegou a assustar o departamento médico, mas logo se recuperou e seguiu no jogo. O Criciúma tinha mais volume de jogo, tentava pressionar, mas o forte bloqueio do adversário não permitia a criação de chances claras de gol.

Aos 17 minutos, o zagueiro Rodrigo avançou, passou por dois adversários, e bateu para Sidão defender com tranquilidade. O gramado molhado, com algumas pequenas poças d’água, deixava a partida mais lenta e com muito perde e ganha de bola. Aos 20 minutos, a primeira grande chance do Tigre: Marcos Serrato roubou a bola no meio e tocou para Hygor, que invadiu a área e bateu forte para a grande defesa de Sidão. Dois minutos depois, o time de São José teve a primeira chance de chegar firme ao ataque: Wagnão avançou em velocidade e tocou para Andriw, na direita, mas o camisa 17 escorregou e caiu sozinho. A chance foi desperdiçada. Aos 25 minutos, após um lançamento errado de Cristovam, uma parcela dos torcedores presentes começou a reclamar nas arquibancadas. A partir da metade da etapa final, a partida ficou equilibrada, sem superioridade de qualquer time.

Com um jogo mais truncado, o Criciúma tinha dificuldade de chegar ao ataque com perigo. A partida perdeu qualidade e ficou fraca tecnicamente, com poucos lances que ameaçassem os dois goleiros. Com boas trocas de passes, o Atlético Catarinense pecava no último passe, no ataque, enquanto o Tigre buscava uma brecha no bloqueio do adversário, mas esbarrava na defesa do time de São José. Aos 41 minutos, Wagnão recebeu na área e bateu em cima de Rodrigo. A bola saiu para escanteio. O primeiro tempo acabou com vaias por parte da torcida carvoeira.

Gol muda o panorama da partida

A partida recomeçou conforme terminou o primeiro tempo: os dois times com dificuldade de chegar ao ataque, com muitos erros de passes e faltas de ambos os lados. Um jogo fraco tecnicamente e muito truncado. Aos seis minutos, Arilson tentou finalizar, da intermediária, mas a bola subiu demais e saiu. Aos nove minutos do segundo tempo, após cobrança de falta pela esquerda, o zagueiro Rayan subiu sozinho e abriu o placar: 1 a 0 para o Criciúma. Aos 11 minutos, em jogada parecida, Thiago Alagoano cobrou falta e Lohan cabeceou para a defesa de Sidão, na sobra, Fellipe Mateus finalizou, mas Rafael Lima colocou pela linha de fundo, com o peito. Os jogadores do Tigre chegaram a pedir pênalti, mas Bráulio da Silva Machado nada marcou. O Atlético Catarinense ameaçou aos 13 minutos: Léo Campos tocou para Lucas de Sá bater forte, da entrada da área, e a bola saiu tirando tinta da trave de Gustavo.

A partir daí, o Atlético Catarinense perdeu as poucas forças que tinha e o Criciúma passou a administrar a partida com muito toque de bola. Aos 22 minutos, Wagnão foi derrubado pela esquerda. Falta. Léo Campos bateu e Gustavo afastou. Aos 29 minutos do segundo tempo, Berg fez uma falta digna de cartão amarelo, no meio de campo. Porém, como ele já havia levado advertência, enquanto estava no banco de reservas, na primeira etapa, acabou expulso após o segundo cartão amarelo.

Aos 34 minutos, Caio Dantas foi girar e acabou derrubado, na entrada da área. Falta.Thiago Alagoano cobrou na barreira. Aos 42 minutos, Rikelmy fez boa jogada pela direita, invadiu a área e bateu forte, mas a bola subiu e saiu. No minuto seguinte, Claudinho cruzou e Gui Azevedo cabeceou pela linha de fundo. Nos acréscimos, Lucas Poletto ainda teve uma chance, mas Sidão pegou. Na reta final, a torcida carvoeira entoou, nas arquibancadas, o canto: “outra vez na primeira o Tigre estará” e também soltou da garganta o título de “é campeão”.

Campeonato Catarinense – Série B – Final – Partida de Volta

21/09 (Quarta-feira)  – 20 horas – estádio Heriberto Hülse, em Criciúma

CRICIÚMA

Gustavo; Cristovam (Claudinho), Rodrigo, Rayan e Guilherme Silva; Marcos Serrato, Arilson (Renan Areias), Fellipe Mateus e Thiago Alagoano (Gui Azevedo); Hygor (Lucas Poletto) e Lohan (Caio Dantas). Técnico: Cláudio Tencati

ATLÉTICO CATARINENSE

Sidão; Rikelmy, Rafael Lima, João Renato e Théo; Leandro Bulhões (Arthur), Lucas de Sá, Léo Campos e Andriw (Berg); Matheuzinho (Vinícius) e Wagnão (Rossetto). Técnico: Arilson Costa

Arbitragem: Bráulio da Silva Machado. Auxiliares: José Roberto Larroyd e Clóvis Herdt

GOLS: Rayan (9/2T) (C)

Cartões Amarelos: Berg (no banco) e Leandro Bulhões (AC); Renan Areias (C)

Cartões Vermelhos: Berg (AC)

Público: 11.060

Renda: R$ 164.850,00

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.