- PUBLICIDADE -

Tiago Monte

Criciúma

- PUBLICIDADE -

Fotos: Celso da Luz/CEC

Antes da partida começar, na noite desta quarta-feira, a torcida do Criciúma estava otimista e falava em goleada contra o Nação pela Série B do Catarinense. Porém, ao final da partida, o resultado foi totalmente oposto e frustrante: derrota por 1 a 0. O Tricolor Carvoeiro teve chances para marcar, criou lances de perigo, principalmente na primeira etapa, mas não teve competência para vencer a marcação do time de Canoinhas e esbarrou no goleiro Agenor. Na segunda etapa, o Tigre perdeu força e acabou sofrendo gol do veterano Jean Carlos aos 38 minutos. Desta forma, o Tigre fica com 10 pontos e se mantém na segunda colocação da tabela de classificação, mas ainda com um jogo a menos. O líder é o Metropolitano, de Blumenau, com 13 pontos. As atenções agora, sim, se voltam todas para a partida contra o Vasco, no sábado, pela Série B do Brasileiro.

O Tigre começou a partida na pressão e com marcação forte na defesa do adversário. Logo aos três minutos, Thiago Alagoano fez boa jogada pela esquerda, bateu forte, Agenor defendeu e Renan Bressan venceu o goleiro, mas Diogo salvou em cima da linha. No minuto seguinte, Renan Bressan fez boa jogada pela direita e cruzou para Eduardo Melo, que finalizou prensado com o zagueiro Paulo Fales e a bola saiu. Enquanto o Criciúma buscava o ataque, o Nação procurava se defender e tentar sair no contra-ataque, mas esbarrava nos erros de passes. Após boa troca de passes, aos 12 minutos, Thiago Alagoano cruzou da direita, mas a bola saiu tirando tinta da trave. No minuto seguinte, Hygor chegou pela direita e cruzou, mas Paulo Fales afastou novamente. A primeira chegada do Nação aconteceu aos 14 minutos com Mateus, que avançou pela esquerda e finalizou, mas Eliedson afastou.

Aos 19 minutos, em contra-ataque, Vandinho chegou ao ataque e bateu forte, mas a bola subiu. No minuto seguinte, Renan Bressan cobrou escanteio, Claudinho pegou de fora da área e Agenor defendeu firme. Aos 23 minutos, Claudinho fez boa jogada pela direita e cruzou para Eduardo Melo que bateu forte, mas Diogo afastou. A torcida presente no Majestoso cantava nas arquibancadas e tentava empurrar a equipe para o primeiro gol. A pressão do Criciúma só arrefecia em raros contra-ataques do Nação. Aos 26 minutos, Cebolinha arrancou pelo meio, tocou na direita para Vitinho que cruzou em cima da marcação.

Na sequência, o Tigre seguiu a pressão com muita velocidade, mas o gol teimava em não sair. Aos 29 minutos, Claudinho tocou para Eduardo Melo, que girou em cima da marcação e tocou de calcanhar para Thiago Alagoano que bateu forte, mas a bola saiu. Aos 31 minutos, Mateus recebeu na meia-lua e finalizou para fácil defesa de Alisson. Dois minutos depois, Marcos Serrato finalizou da meia lua e Agenor defendeu. Na sequência, Eduardo Melo foi puxado na intermediária. Falta. Bressan bateu e Agenor defendeu em dois tempos. O gol do Criciúma teimava em não sair. O Nação marcava forte e tentava sair em velocidade com Cebolinha e Octávio, mas não venciam a zaga do Tigre. Do outro lado, o ataque do Tricolor Carvoeiro não conseguia superar a defesa bem postada do time de Canoinhas. Aos 44 minutos, Marcos Serrato pegou a sobra, de fora da área, e bateu forte. A bola traiu o goleiro Agenor, que, mesmo assim, conseguiu se recuperar e defendeu, escapando de levar um frango. No final da primeira etapa, um persistente 0 a 0.

Surpresa no segundo tempo da partida

O Criciúma voltou no mesmo ritmo do primeiro tempo: em busca do gol. Logo aos dois minutos, Helder cruzou da esquerda e Renan Bressan pegou mal na bola, que subiu e saiu pela linha de fundo. Aos seis minutos, Claudinho cruzou da direita e Eduardo Melo pulou sozinho para cabecear, mas a bola saiu pela linha de fundo. No minuto seguinte, Octávio fez boa jogada pela direita e cruzou para Lucas Sales que cabeceou firme para grande defesa de Alisson. Lance de perigo também para o time de Canoinhas. Aos 11 minutos, um problema para o técnico Cláudio Tencati: Hygor se lesionou e foi substituído por Deividy.

Um pouco desorganizado, o Tricolor Carvoeiro não conseguia exercer a mesma pressão do primeiro tempo. Já o time de Canoinhas saiu mais para o ataque e equilibrou a partida. Aos 16 minutos, Claudinho avançou pela direita e foi derrubado por Vandinho, mas o lateral pegou primeiro na bola e o árbitro Heber Roberto Lopes nada marcou. Aos 22 minutos, Marcos Serrato recebeu na entrada da área e finalizou alto, pela linha de fundo. Três minutos depois, o Criciúma pressionava o adversário: Thiago Alagoano finalizou pela esquerda e Agenor pegou. Aos 29 minutos, Renan Bressan finalizou com força e a bola tirou tinta da trave.

Aos 36 minutos, Vandinho cobrou falta e Jean Carlos cabeceou pela linha de fundo. Dois minutos depois, o veterano Jean Carlos recebeu na área e bateu cruzado para abrir o placar: 1 a 0 surpreendente para o Nação. No final da partida, o Criciúma tentou pressionar o adversário, mas não teve força para, ao menos, igualar o jogo. Resultado decepcionante para os mais de cinco mil torcedores presentes no Majestoso.

Campeonato Catarinense – Série B – 5ª Rodada

06/07 (quarta-feira) – 20 horas – estádio Heriberto Hülse, em Criciúma

CRICIÚMA

Alisson; Claudinho, Eliedson, Rayan e Helder; Renan Areias, Marcos Serrato (Vinícius Tsumita) e Renan Bressan; Thiago Alagoano, Eduardo Melo (Fabrício) e Hygor (Deividy). Técnico: Cláudio Tencati

NAÇÃO

Agenor; Vitinho, Diogo, Paulo Fales e Vandinho; Léo Caeté, Lucas Sales (Zé Márcio), Patrick Vieira (Gabriel); Octávio (Vinícius), Mateus (Jean Carlos) e Cebolinha. Técnico: Pedro Paulo

Arbitragem: Heber Roberto Lopes. Auxiliares: Eder Alexandre e Clovis Herdt

GOL: Jean Carlos (38/2T) (N)

Cartões Amarelos: Não houve

Cartões Vermelhos: Não houve

Público: 5.219

Renda: R$ 70.560,00

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.