- PUBLICIDADE -

Tiago Monte

Balneário Camboriú

- PUBLICIDADE -

 Fotos: Ricardo Artifon/CAC

Não deu para o Próspera. O Time da Raça perdeu para o Concórdia por 2 a 0 e está rebaixado para a Segunda Divisão do Catarinense em 2023. O primeiro gol do jogo foi marcado por Marcelinho aos nove minutos do segundo tempo. O golpe de misericórdia veio aos 47 minutos da etapa final com Rafa Marcos. A derrota, combinada com as vitórias do Joinville sobre o Barra e do Avaí diante do Hercílio Luz, coloca o time criciumense na segundona do Estadual no ano que vem. O Time da Raça teve boas chances na partida, até foi melhor em campo, mas acabou derrotado. “É uma pena. A gente lutou e trabalhou bastante, mas não conseguimos o objetivo. Momento de tristeza. Foi meu último jogo pelo Próspera, vou jogar a Série B pela Tombense, mas é só uma fase ruim. Vai passar”, diz o atacante Gabriel Henrique.

O Próspera começou o jogo marcando forte o time adversário e saindo bem para o ataque. A primeira boa chance aconteceu aos nove minutos, após boa jogada de Marcelinho. Na cobrança de falta, pela lado direito, a zaga afastou. O jogo tinha ritmo lento devido ao forte calor que fazia em Balneário Camboriú na tarde de sábado.

Aos 16 minutos, Marcelinho, do Concórdia, passou fácil por Marco Maier e cruzou para Bruninho, que fechava na marca do pênalti, mas Gullithi afastou. Na cobrança, de peixinho, Beto afastou. Aos 18 minutos, Pedrinho errou um passe perigoso, mas Japa consertou a falha do companheiro e evitou um ataque perigoso do Concórdia. O mesmo camisa 2 do Próspera avançou para o ataque, puxou para dentro e bateu para o gol, mas a bola bateu em Vinícius Moura e seguiu para escanteio. Na cobrança de Bessa, Gullithi escorou, mas ninguém chegou para completar.

A partida seguia equilibrada com ambos os times buscando o ataque. Aos 22 minutos, Paulinho cobrou falta pela esquerda, Bruninho cabeceou sozinho, mas a bola acabou sobrando para a defesa prosperana. Dois minutos depois, Gabriel Henrique recuperou a bola e tocou para Bessa, que recebeu no interior da grande área, ficou cara a cara com Sidão, mas chutou em cima do goleiro do Concórdia. Grande chance desperdiçada pelo meia do Próspera. Ele tinha a opção, inclusive, de tocar ao lado para Pedrinho, mas preferiu finalizar e errou.

Aos 25 minutos, o árbitro Bráulio da Silva Machado fez a pausa técnica em função do calor. O Próspera estava muito mais no campo do Concórdia, que se defendia mais e tentava os contra-ataques. Aos 34 minutos, Marcelinho, do Próspera, fez boa jogada pela direita, mas William Alves cortou quando a bola foi cruzada. Aos 38 minutos, Camacho recebeu a bola de Matheus Ernandes e bateu forte, mas Sidão, de mão trocada, colocou para escanteio. Melhor na partida, o Próspera se aproximava do gol. O primeiro tempo, porém, terminou com placar em branco.

Os gols que decretaram o rebaixamento 

Os times demoraram para retornar à segunda etapa. Ambos estavam interessados em atrasar o reinício da partida para saberem primeiro os resultados dos rivais – ao final do jogo. Os dois times voltaram retraídos e mais preocupados com o sistema defensivo. Aos dois minutos, Pedrinho foi atingido por Paulinho e o jogador do Concórdia levou cartão amarelo. Aos quatro minutos, Marcelinho, do Galo do Oeste, chutou de fora da área, Igor Campos pegou parcialmente, Bruninho ficou com a sobra e bateu, mas a bola desviou em Gullithi e saiu caprichosamente pela linha de fundo. O goleiro do Próspera estava sem chances de defesa em função do desvio.

Aos nove minutos, porém, Patrick deu um chutão para o lado esquerdo, Vinícius Moura recebeu pelo lado e cruzou para Marcelinho que chegou livre pelo meio e bateu para abrir o placar: Concórdia 1 a 0. O banco de reservas do Próspera pediu impedimento, mas o árbitro nada marcou.

A partir daí, o Concórdia melhorou na partida e tomou as iniciativas do jogo, mas o Próspera tentava empatar o jogo. Aos 20 minutos, Gabriel Henrique fez boa jogada, porém, a zaga afastou. Aos 23 minutos, Lucas Sebastian foi derrubado e conseguiu uma boa falta para o Time da Raça. Bessa cobrou, em busca de Gullithi, mas William Alves colocou para escanteio. Na cobrança, a zaga afastou. Aos 26 minutos, uma nova parada para hidratação.

Nos últimos 15 minutos, o Próspera buscou a igualdade. Aos 34 minutos, Thainan partiu para cima de Rafa Marcos e cavou escanteio. Na cobrança, a zaga afastou. O Time da Raça seguia no ataque e pressionava o Concórdia. Aos 40 minutos, Gabriel Henrique fez boa jogada pela esquerda e cruzou para Vitinho, que não conseguiu marcar. A bola saiu para escanteio. Na cobrança, Ramon ficou perto do gol, mas a zaga afastou. Em pressão total, o Time da Raça tentava o gol da salvação. Aos 43 minutos, Marcelinho cobrou falta e Lucas Sebastian errou o chute. Aos 47 minutos, o golpe de misericórdia: Leo Novack recuperou a bola de Marco Maier e tocou para o livre Rafa Marcos, em posição duvidosa, que ampliou: 2 a 0. Os reservas do Próspera pediram impedimento, mas o juiz nada marcou. No final, derrota do Próspera e rebaixamento para a Segundona. “No segundo gol, o cara recebeu impedido. Tava claro. A gente tentou. A gente lutou, mas não deu”, finaliza o lateral Marco Maier.

Campeonato Catarinense – 11ª Rodada – Primeira Fase

05/03 (sábado) – 16h30min – Estádio das Nações, em Balneário Camboriú

PRÓSPERA

Igor Campos; Japa (Thainan), Matheus Ernandes, Gullithi (Luciano) e Marco Maier; Camacho (Ramon), Bessa e Beto (Vitinho); Pedrinho (Lucas Sebastian), Marcelinho e Gabriel Henrique. Técnico: Emerson Cris

CONCÓRDIA

Sidão; Oliveira, Patrick, William Alves (Luan) e Bruno Santos; Arez, Evandro, Paulinho (Chicão) e Vinícius Moura (Rafa Marcos); Bruninho (Leo Novack) e Marcelinho. Técnico: Itamar Schülle

Arbitragem: Bráulio da Silva Machado; Auxiliares: Bruno Müller e Clóvis Herdt

GOLS: Marcelinho (9/2T)  e Rafa Marcos (47/2T) (C)

Cartões Amarelos: Japa, Beto e Gullithi (P); Paulinho, Chicão e William Alves (C).

Cartões Vermelhos: Não houve

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.