De virada, Caravaggio perde em Indaial

Com dois jogadores a menos, na etapa final, Azulão da Montanha permite a vitória do Blumenau, fora de casa, e estaciona no meio da tabela da Série B do Catarinense


- PUBLICIDADE -

Tiago Monte

Indaial

- PUBLICIDADE -

Fotos: Fabrício Junior/CFC

Após um primeiro tempo excepcional, o Caravaggio vacilou, na etapa final, e perdeu por 3 a 1 para o Blumenau, na tarde deste domingo, no estádio Ervin Blaese, em Indaial, pela Série B do Catarinense. Vinícius Urbano fez 1 a 0, ainda no primeiro tempo, quando parecia que o time de Nova Veneza encaminharia bem o resultado. Porém, no segundo tempo, o time da casa mudou a postura e desequilibrou o Carava. Aos cinco minutos, Luan empatou o jogo. Depois, o Azulão teve dois atletas expulsos, Paganelli ampliou para 2 a 1 e Antony, aos 44 minutos, deu números finais ao jogo: 3 a 1.

Com o resultado, o time de Nova Veneza fica no meio da tabela, na quinta colocação, com sete pontos ganhos. Existe ainda a possibilidade do Azulão perder três pontos na tabela, em função da suposta irregularidade com jogadores, na primeira rodada da competição, na partida contra o Metropolitano. O Tribunal de Justiça Desportiva (TJD) da Federação Catarinense de Futebol (FCF) ainda vai julgar o caso.

O Caravaggio começou bem a partida, pressionando o adversário. Enquanto isso, o Blumenau ficou no campo de defesa. Aos 13 minutos, Rickelmy recebeu na entrada da área e colocou no canto para a grande defesa de Gott, a bola chegou a bater na trave, mas não entrou. No contra-ataque, Wesley arrancou e finalizou forte para grande defesa de Diego. O Caravaggio buscava mais o setor ofensivo, enquanto o Blumenau se defendia e tentava explorar os erros do Azulão da Montanha.

Aos 24 minutos, a superioridade do Caravaggio deu resultado: o artilheiro Vinícius Urbano abriu o placar, após boa jogada de Rhuan Marrote e Rickelmy. 1 a 0 para o Azulão da Montanha. Eram seis jogadores do time de Nova Veneza no setor ofensivo para fazer o gol.

Aos 38 minutos, Nikolas Farias cobrou falta e a bola subiu demais saindo para tiro de meta. Esse foi um dos poucos lances de perigo do Blumenau na etapa inicial de partida. O primeiro tempo teve superioridade do Azulão. Nos últimos 10 minutos da etapa inicial, o time da casa tentou pressionar, mas não conseguiu ser incisivo.

Adversário empata no início da etapa final

Logo no início da etapa final, aos dois minutos, Igor Candiotta fez uma falta forte em Diego. Falta perigosa para o Blumenau. Na cobrança, a bola subiu e saiu pela linha de fundo. O time da casa voltou melhor, buscando mais o ataque, e, aos cinco minutos, Luan pegou um chute forte, de perna esquerda, no interior da grande área, e botou no ângulo do goleiro Diego para empatar a partida: 1 a 1. O meia Bruno Ritter reclamou de falta, na origem do lance, mas o árbitro William Machado Steffen nada marcou.

O time da casa atacava mais na etapa final. O Caravaggio sentiu a mudança do adversário e voltou a avançar apenas depois dos 15 minutos do segundo tempo. Aos 21 minutos, o Azulão da Montanha ficou com um jogador a menos com a expulsão do lateral direito Maninho. Três minutos depois, o Blumenau quase marcou o segundo gol, quando o goleiro Diego salvou em cima da linha uma chance do time da casa. Aos 25 minutos, Eduardo Meurer tomou o segundo cartão amarelo e também foi expulso. O Caravaggio ficou com dois jogadores a menos na etapa final. No minuto seguinte, Paganelli cabeceou, após cruzamento de Nikolas Farias, e colocou o time da casa na frente: 2 a 1. Aos 39 minutos, o mesmo Paganelli cabeceou com força e a bola estourou no travessão de Diego. Outra chance de perigo para o Blumenau. Aos 44 minutos, em contra-ataque, quando o Azulão tentava empatar, Antony arrancou, avançou e desviou do goleiro Diego para dar números finais ao jogo: 3 a 1 para o Blumenau.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.