Criciúma: Goleira de handebol na seleção juvenil

Letícia Pires, de 17 anos, é convocada para a fase de treinos da equipe nacional que participará do Campeonato Sul-Centro Americano


- PUBLICIDADE -

Criciúma

A Seleção Brasileira de handebol feminino contará com mais uma atleta da Fundação Municipal de Esportes (FME) de Criciúma/Unesc/Associação Criciumense de Handebol Feminino (ACRIFH). A goleira Letícia Pires, de 17 anos, foi convocada para a fase de treinos da equipe Juvenil que participará do Campeonato Sul-Centro Americano de Handebol.

- PUBLICIDADE -

A atleta, natural de Brasília, iniciou na modalidade aos 10 anos e ficou os dois últimos anos parada, por conta da pandemia. Ela chegou na equipe criciumense em fevereiro. “Mesmo com o período parada, ela não perdeu o seu talento e potencial. Nós vínhamos monitorando ela há muito tempo, e desde que chegou vem treinando forte e sendo monitora pela seleção juvenil”, afirma a presidente da ACRIHF, Camila Souza.

Em 2018 Letícia já havia sido convocada para duas fases de treinos da seleção infantil. “Ter a oportunidade de representar minha equipe e o país é algo muito gratificante. É a comprovação de que todo esforço e dedicação com o handebol feminino vale a pena. Espero poder dar o meu melhor nessa fase e conquistar a vaga na equipe principal para a competição”, comenta a atleta.

Para o presidente da FME Criciúma, Neto Uggioni, a segunda convocação da modalidade em 2022 reflete a dedicação das atletas. “Nós estamos muito felizes com cada conquista do nosso handebol feminino. Acompanhamos diariamente os treinos e o quanto elas se entregam para o esporte”, frisa.

Ela viaja para São Bernardo do Campo, em São Paulo, no dia 18 de abril, onde passa a integrar a equipe para a fase de treinos.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.