Fumacense Alimentos ganha destaque na COP 27

A convite da Associação Brasileira da Indústria do Arroz, cerealista de Morro da Fumaça (SC) participou de painel sobre agronegócio e meio ambiente

Foto: Divulgação

- PUBLICIDADE -

Garantir desenvolvimento econômico com sustentabilidade sempre foi o propósito da Fumacense Alimentos. Com o passar de seus mais de 50 anos de história, a indústria cerealista tornou-se referência de cuidado com o meio ambiente, tanto que nesta segunda-feira, 14, as ações da empresa ganharam destaque na Conferência do Clima das Nações Unidas (COP 27).

> Clique e receba as principais notícias do sul catarinense no WhatsApp

- PUBLICIDADE -

Diretamente de Brasília e a convite da Associação Brasileira da Indústria do Arroz (Abiarroz), a Fumacense participou de um painel sobre “Tecnologias de manejo de resíduos agropecuários contribuindo para mitigação e adaptação às mudanças climáticas”. A apresentação esteve inserida de forma virtual no debate sobre agronegócio realizado na própria COP 27, que acontece até o dia 18 de novembro, em Sharm el-Sheikh, no Egito.
No painel, o coordenador da Central Termelétrica da Fumacense Alimentos, Lucas Tezza, explanou sobre o ciclo de produção do arroz na indústria de Morro da Fumaça (SC), que conta com reaproveitamento máximo de resíduos.

Na cerealista, por meio de uma iniciativa pioneira implantada em 2008, uma usina termelétrica própria transforma a casca de arroz que seria descartada em energia elétrica. Do processo de queima, resta a cinza, que também é reaproveitada por indústrias siderúrgica, cimenteira e cerâmica. Esta última, em um projeto também piloto, que utiliza o rejeito na composição de tijolos mais leves, sem perder sua resistência.

O impacto das ações

Desde sua implantação, a usina termelétrica da Fumacense Alimentos já queimou 300 mil toneladas de casca de arroz, gerando 72mil Mw/h de energia elétrica. Com a ação, projeta-se que 40 mil toneladas de gás metano já deixaram de ser emitidas na atmosfera, um resultado que antecipa o compromisso da indústria com o pacto global firmado na COP 26, para redução de 30% na emissão de metano até 2030.
“Poder levar nossas ações sustentáveis para um evento tão importante quanto a COP 27 é sinal de que estamos no caminho certo, o caminho do cuidado e da preservação. Sempre fomos pioneiros em ações para reduzir os impactos da indústria no espaço em que vivemos, e poder levar esse conhecimento para um evento mundial é bastante motivador, uma forma de valorizar todo o trabalho árduo da Fumacense em prol do meio ambiente”, avalia o coordenador da usina termelétrica.

Referência nacional

Para a Abiarroz, é motivo de orgulho poder contar com uma associada exemplo como a Fumacense Alimentos, sempre pioneira e responsável com as questões ambientais, e já com várias práticas implantadas na cadeia como um todo.
“Essa oportunidade de participar da COP 27 traz dois grandes pontos: primeiro, nos permite divulgar o arroz brasileiro externamente e fazer com que os outros países saibam que o país também possui uma produção sustentável, desde a lavoura até a indústria; e segundo, traz o tema para as próprias empresas do Brasil verem que a sustentabilidade tem que fazer parte dos negócios, pois afeta o mercado interno também”, ressalta a gerente de Exportação da Abiarroz, Carolina Telles Matos.

DNA de inovação e sustentabilidade

O cuidado com o meio ambiente não é algo novo para a Fumacense Alimentos. Desde sua fundação, a empresa sempre contou com uma gestão voltada para o desenvolvimento de ações cada vez mais completas de preservação.
“Além da nossa usina, fazemos análises atmosféricas e utilizamos filtros multiciclones de última geração para cuidado com o ar; reciclamos todos os materiais plásticos e papéis que sobram das embalagens; e a água que utilizamos no processo passa por tratamento antes de retornar ao meio ambiente. Ou seja, um ciclo fechado, para que geremos o mínimo de descarte possível”, evidencia o diretor de Operações da Fumacense, Jean Alexander Marquardt.

Enquanto parte do grupo econômico EZOS, conforme o CEO Ricardo Regado, os resultados da indústria são reflexo de uma verdadeira história de preocupação com o planeta. “A Fumacense é a empresa mais antiga da nossa holding e exemplo para todas as unidades de negócio do Grupo. Ao olhar para o sucesso dessa atuação, nos sentimos ainda mais compelidos a continuar criando e inovando, sempre em prol de garantir um bom futuro para as próximas gerações”, finaliza.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.